Professores sugerem currículo nacional mais enxuto

Propostas de docentes da rede pública foram levadas ao MEC nesta quarta; documento nacional é discutido desde 2015

Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

15 Setembro 2016 | 03h00

Professores da rede pública querem um currículo nacional menos abrangente e mais aprofundado do que o proposto pelo Ministério da Educação (MEC). Além da redução na quantidade de conteúdos, eles sugerem tornar os objetivos de aprendizagem mais claros para quem vive a rotina de sala de aula. 

Essas são algumas das sugestões do relatório entregue ontem ao ministro Mendonça Filho por Undime e Consed, entidades que representam secretários estaduais e municipais de educação. Esse documento é fruto de consultas públicas com cerca de 9,2 mil pessoas - na maioria professores da rede pública - em todo o País. 

Os comentários foram feitos sobre a versão mais recente da Base Nacional Comum, que prevê o que o aluno deve aprender em cada etapa do ensino básico. Debatido desde 2015, o currículo único é previsto pelo Plano Nacional de Educação (PNE). “De modo geral, é preciso que o texto seja mais conciso e com linguagem mais direta”, explica Eduardo Deschamps, presidente do Consed. Para os professores, faltam esquemas que relacionem os objetivos de aprendizagem e um glossário de termos, que explique os conceitos. 

Objetivos mais audaciosos e focados também são uma demanda. “A avaliação dos professores ouvidos é de que é importante permitir uma aprendizagem mais profunda nos temas considerados essenciais”, afirma Alice Ribeiro, do Movimento pela Base Nacional Comum.

Prazos. O texto ainda deverá ser ajustado pelo MEC e enviado ao Conselho Nacional de Educação, onde haverá novo debate. As entidades também pedem a definição de prazos. 

A previsão inicial era de concluir o processo em julho. A expectativa agora é de que a pasta conclua as revisões até novembro. O capítulo sobre ensino médio ficará para depois porque o Congresso ainda discute um projeto de lei sobre a reforma dessa etapa de ensino. Procurado, o ministério informou que ainda não havia analisado o relatório apresentado por Undime e Consed.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.