Reprodução
Reprodução

Professores rejeitam proposta do governo e mantêm greve no PR

Categoria luta por um reajuste mínimo de 8,4%; nova reunião com o governo do Estado está prevista para o próximo dia 12

Julio Cesar Lima, Especial para O Estado

05 Maio 2015 | 15h27


CURITIBA -  Os professores do ensino público do Paraná decidiram manter por tempo indeterminado a greve que entrou, nesta terça-feira, 5, em seu oitavo dia. Segundo o APP-Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública, cerca de oito mil pessoas compareceram à assembleia no estádio da Vila Capanema e optaram pela continuidade do movimento, após recusar a proposta apresentada pelo governo, que era de 5% em duas vezes. A categoria luta por um reajuste mínimo de 8,4%. 

Também ficou decidido que o sindicato vai entrar com uma ação para pedir que se anule a sessão da Assembleia Legislativa que votou o projeto da Paraná Previdência, permitindo que o governo possa manobrar os recursos. O projeto, no entanto, já foi sancionado pelo governador Beto Richa (PSDB).  

A assembleia dos professores durou cerca de duas horas. Uma nova reunião com o governo do Estado está prevista para o próximo dia 12, pela manhã. 

" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.