Professores reclamam da ausência de filosofia e sociologia na 2.ª fase da Unicamp

Alunos resolveram nesta segunda-feira as provas de Ciências Humanas e artes e inglês

Estadão.edu,

14 Janeiro 2013 | 19h51

Mais de 13 mil estudantes fizeram nesta segunda-feira, 14, as provas de Ciências Humanas e artes e inglês da segunda fase da Unicamp. De modo geral, os exames foram avaliados como "tradicionais" pelos professores de cursinhos ouvidos pela reportagem. Uma queixa frequente dos docentes limita-se à ausência de questões de filosofia e sociologia.

De acordo com Edmilson Motta, coordenador-geral do Etapa, a avaliação de segunda fase do ano anterior apresentou questões das disciplinas, de modo "bastante exigente", inclusive. "Estávamos esperando algo nesse sentido", confessa. Motta afirma também que a presença de arte foi muito discreta. O tópico apareceu em uma questão de história que apresentava um quadro onde católicos e calvinistas eram retratados. "A análise exigida pedia um ponto de vista histórico e não artístico", diz.

Célio Tasinafo, diretor pedagógico do cursinho Oficina do Estudante, destaca o tradicionalismo do exame. "Se fizermos uma análise histórica, podemos perceber que os temas mais recorrentes em vestibulares estavam presentes nessas provas", comenta, referindo-se, com maior ênfase, à avaliação de história. Calvinismo, Roma Antiga e as revoluções francesa e de 32 foram alguns dos tópicos abordados.

"Mesmo tratando de temas tradicionais, a prova trouxe enunciados de formulações inteligentes, à altura da inteligência do vestibulando", afirma Francisco Alves da Silva, professor de história do Objetivo.

Apesar de também ter abordado assuntos recorrentes em vestibulares a prova de geografia trouxe novidades que provavelmente dificultaram a vida dos estudantes. É o que afirma Vera Lúcia da Costa Antunes, professora da disciplina no Objetivo. "O exame trouxe também temas menos corriqueiros e exigiu que os alunos dominassem conceitos. Citações pontuais não bastariam para a resolução dos problemas", diz. 

Em uma das questões, por exemplo, o aluno era questionado sobre a origem dos abalos sísmicos no Acre. "É um assunto muito específico, que não é tratado em aula", afirma o coordenador-geral do Anglo, Luís Ricardo Arruda.

Já a prova de inglês parece não ter trazido grandes dificuldades aos alunos, ao menos de acordo com os professores. "A avaliação teve como objetivo medir a capacidade de leitura em língua inglesa, sem preocupações com conteúdos gramaticais", diz Cristina Armaganijan, professora do Objetivo.

Motta, do Etapa, aponta a questão de número 19 como uma das mais fáceis que ele já encontrou em uma segunda fase. A questão trazia dois cartazes, um que anunciava um desconto em uma loja e outro de um estacionamento, e pedia aos alunos a tradução. "O grau de complexidade das questões de inglês foi de médio a fácil, mas vale lembrar  que a prova é um conjunto e os alunos têm de administrar o tempo para todas as demais questões", afirma o coordenador.

Cristina relembra que a Unicamp tem o costume de ser muito criteriosa em suas correções. "Se, por algum acaso, o corretor percebe que o aluno não compreendeu bem o que se pede e está tentando enrolar, provavelmente ele terá pontos descontados", diz a professora.   

Calendário

A segunda fase do vestibular da Unicamp possui cinco provas. A cada dia, os estudantes devem responder a 24 questões dissertativas. Neste domingo, 13, os candidatos tiveram de resolver as questões de língua portuguesa, literatura e matemática. Na terça, 15, a prova aplicada será de Ciências da Natureza.

Os candidatos a vagas de cursos com provas de habilidades específicas (que serão realizadas entre os dias 21 e 24 de janeiro) deverão consultar as orientações para a realização dos exames, como locais e horários, no site www.comvest.unicamp.br. Os cursos que exigem provas de habilidades específicas são Arquitetura e Urbanismo, Artes Cênicas, Artes Visuais, Dança e Música.

A chamada para a matrícula dos candidatos selecionados será divulgada no dia 4 de fevereiro.

* Atualizada às 20:50

Mais conteúdo sobre:
Unicampsegunda fase

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.