Professores paralisam atividades em protesto nacional

O objetivo da paralisação era discutir a urgência na aprovação de um piso salarial nacional para a categoria

14 de março de 2008 | 20h39

Professores da rede pública de ensino de todo o país paralisaram nesta sexta-feira, 14, suas atividades para discutir a urgência na aprovação do projeto de lei que estabelece um piso salarial nacional para todos os professores. A suspensão das atividades foi organizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE).  Segundo seu presidente, Roberto Leão, o projeto deveria ter sido votado no ano passado, para que o piso entrasse em vigor em 2008. Leão lembrou que, em algumas regiões, há docentes que recebem menos de um salário mínimo. Segundo ele, por isso é importante estabelecer um piso nacional para a categoria.  Atualmente, o projeto de lei está sendo analisado pela Comissão de Finanças da Câmara dos Deputados e depois segue para a Comissão de Constituição e Justiça. O texto estabelece salário inicial de R$ 950, o que não inclui gratificações. Cada estado organizou sua própria programação para a paralisação, optando pela mobilização total ou parcial da carga horária para discussões.  Entretanto, nem todas as escolas participaram do movimento. Em muitas as aulas correram normalmente por escolha do próprio corpo docente. Apesar disso, a confederação fez um balanço positivo das ações. "Do Acre ao Rio Grande do Sul, tivemos eventos, e em quase todos os estados, paralisação. O efeito que queríamos com essa paralisação era esse mesmo: chamar a atenção para a necessidade de aprovação do piso", afirmou o secretário-geral da CNTE, Denilson da Costa.  (Com informações da Agência Brasil)

Tudo o que sabemos sobre:
educaçãorede pública de ensino

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.