Professores fazem correção ao vivo da Fuvest a partir das 18h55

Quase 147 mil inscritos terão 5 horas para resolver 90 questões da prova da 1.ª fase, que começa às 13 h

O Estado de S. Paulo,

25 Novembro 2011 | 23h32

  SÃO PAULO - O Estadão.edu vai transmitir a correção ao vivo da prova da primeira fase da Fuvest a partir das 18h55 deste domingo. Vinte e cinco professores do Cursinho da Poli farão a análise do exame no estúdio da TV Estadão, no endereço http://www.estadao.com.br/aovivo/. Nesta mesma página o internauta poderá conferir o gabarito oficial da Fuvest, que será divulgado por volta das 19 horas.

 

A prova começa às 13 horas, mas os candidatos devem chegar até as 12h30. Atrasos não serão tolerados. Eles têm 5 horas para resolver 90 questões de múltipla escolha. É necessário levar documento de identidade, caneta esferográfica (azul ou preta), lápis n.º 2 e borracha. Equipamentos de telecomunicação, como celulares, estão proibidos.

O exame será realizado em 114 endereços - 61 na Grande São Paulo e 53 no interior. Para o curso de Licenciatura em Ciências, semipresencial, haverá dois locais na capital e três no interior (Piracicaba, Ribeirão Preto e São Carlos).

Ao todo, 146.885 candidatos disputam 10.852 vagas em cursos de graduação da USP e 100 na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa. Neste ano, o número de inscritos cresceu 10,47% em relação a 2010.

A lista de candidatos convocados para a segunda fase será divulgada em 19 de dezembro. As provas acontecem entre os dias 8 e 10 de janeiro.

Neste ano, O Conselho de Graduação (CoG) da USP aprovou cinco mudanças que deixam o processo mais difícil. A nota da primeira fase volta a valer na pontuação final; a nota mínima para passar para a segunda fase subiu de 22 para 27 pontos; e serão aprovados para a segunda etapa de dois a três candidatos por vaga - e não mais três para todas. O número de questões da prova do segundo dia da segunda fase também mudou: foi reduzido de 20 para 16 e foi criada a possibilidade de escolha de outra carreira a partir da terceira chamada.

O CoG também aprovou um novo programa de inclusão que aumenta a bonificação de alunos oriundos da rede pública de até 12% para até 15%, mediante o desempenho na primeira fase; e a autenticação das informações prestadas na inscrição da Fuvest, para identificar candidatos com ensino médio incompleto inscritos em carreiras específicas - e não como treineiros.

Mais conteúdo sobre:
Fuvest

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.