Luiz Fernando Toledo/Estadão
Luiz Fernando Toledo/Estadão

Professores em greve protestam na República com 'varal' de holerites

Cerca de 100 docentes aguardam término de reunião entre sindicato e secretário de Educação; reivindicação é de reajuste de 75,33%

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

13 Maio 2015 | 10h58

SÃO PAULO - Cerca de 100 professores em greve protestam na frente da Secretaria Estadual de Educação (SEE), na Praça da República, região central de São Paulo, na manhã desta quarta-feira, 13. Eles aguardam o resultado de uma reunião entre representantes do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) e o secretário de Educação, Hermann Voorwald. 

Os docentes querem reajuste salarial de 75,33% para equiparação do salário da categoria a outras carreiras de ensino superior. Eles estão paralisados há dois meses. Já o governo Geraldo Alckmin (PSDB) chama a greve de "extemporânea" e diz que a categoria teve reajuste de 45% nos últimos quatro anos.

Para evitar confrontos como o que aconteceu no mês passado entre o sindicato e o secretário, quando black blocs infiltrados tentaram invadir a secretaria, a Polícia Militar bloqueia a entrada do prédio. A calçada também está fechada por grades, para evitar o avanço dos manifestantes.

Os grevistas montaram um "varal" de holerites na frente da SEE. Este foi o primeiro mês em que os demonstrativos já vieram com os descontos por falta dos professores no mês de maio, quando começou a paralisação. A Apeoesp informou nesta terça-feira, 12, que recorre no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o corte de ponto. Na semana passada, a Justiça derrubou liminar obtida pela entidade que evitava o desconto das faltas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.