Professores dizem que tema da redação vazou em PE

Eles foram procurados por estudantes que queriam tirar dúvidas sobre 'trabalho e escravidão'; tema teria vazado em São Raimundo Nonato (PI)

Angela Lacerda, Especial para o Estadão.edu

09 Novembro 2010 | 13h33

Professores do cursinho Geo Petrolina Pré-Vestibular foram procurados por cerca de 30 estudantes da cidade de Petrolina, no sertão do São Francisco, a 769 quilômetros do Recife, que pediam  ajuda para desenvolver a redação se o tema fosse "trabalho e escravidão". A OAB-PE recebeu a denúncia, com "cautela".

 

Eram 11 horas da manhã do domingo, uma hora antes do início da prova do Enem. Um dos estudantes, aluno do curso, disse aos professores que o tema da redação havia vazado em São Raimundo Nonato (PI) e ele tinha sido informado. O boato se espalhou e outros candidatos recorreram aos professores de português Marcos Freire, Ramón Bandeira e Diego Alcântara.

 

"Na hora, não acreditei na história do vazamento, mas atendemos aos alunos, discutindo o tema", disse Marcos Freire. Depois da prova, ao saber da confirmação do tema, veio a preocupação. "A questão é séria e terminamos nos envolvendo por não termos dado a devida dimensão ao fato."

 

"Vacilamos, deveríamos ter divulgado esta informação antes", reforçou o coordenador do curso, Nivaldo Moreira, que é professor de física e estava no mesmo ponto de apoio, testemunhando a procura dos estudantes e a informação do boato do vazamento.

 

Depois da prova, os professores deram entrevista a emissoras de rádio e televisão locais informando sobre a possibilidade de vazamento, que foi ao ar nesta terça-feira pela TV Globo Recife. "Não temos provas, mas onde tem fumaça tem fogo", observou o professor Marcos Freire. Segundo ele, a informação é de que desde a noite do sábado, 6, o aluno teria tido a informação do vazamento.

 

Petrolina fica a cerca de 300 quilômetros de São Raimundo Nonato e tem estudantes que moram na cidade piauiense. O conselheiro federal da OAB-PE, Pedro Henrique Reynaldo Alves, defende a investigação do fato. "O momento é de cautela e investigação", afirmou ele, ao destacar que se houve realmente vazamento do tema da redação a idoneidade do concurso está em xeque e ele deve ser anulado.

 

"Por enquanto foram constatados erros operacionais que, de acordo com o ministro da Educação (Fernando Haddad), teriam atingido 1% dos candidatos", observou. "Mas, no caso de apenas um aluno em qualquer parte do País ter tido conhecimento antecipado do teor de uma prova (no caso o tema da redação), o concurso deve ser anulado", destacou.

 

O Enem está suspenso por decisão liminar da Justiça Federal do Ceará.

Mais conteúdo sobre:
Enemvazamentoredação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.