Professores da USP Leste lançam manifesto contra situação do câmpus

Docentes sinalizam não aceitar um local improvisado para o início do semestre acadêmico

O Estado de S. Paulo

10 Janeiro 2014 | 15h02

Um grupo de professores do câmpus Leste da Universidade de São Paulo (USP) lançou um manifesto contra a situação ambiental do câmpus. O local está interditado desde quinta-feira, 9, em respeito à decisão judicial que apontou riscos à saúde por causa da contaminação no terreno.

Nesta semana, a Congregação da unidade (órgão máximo da unidade educacional) e o Conselho Técnico-administrativo do câmpus já havia publicado nota de "indignação" pelo fato de a Reitoria da Cidade Universitária, mesmo às vésperas da interdição, não ter tomado providências para a continuidade das atividades em local apropriado.

Parte dos docentes sinaliza não aceitar um local improvisado para o primeiro semestre de 2014 e já defende greve caso a situação não seja resolvida. As aulas do primeiro semestre deste ano, previstas para começar em 17 fevereiro, ainda não têm local definido. Já as classes de reposição do segundo semestre de 2013, atrasadas por causa de uma greve na unidade, serão dadas no Instituto de Psicologia, no câmpus Butantã, a partir de segunda-feira, 13.

Leia o manifesto na íntegra:

Como docentes contratados pela Universidade de São Paulo em regime de dedicação integral à docência e pesquisa, temos como dever do ofício a realização de atividades de ensino, pesquisa e extensão. Temos exercido tal dever de forma competente e, no que tange à pesquisa, construímos com muito trabalho, determinação e empenho, através de iniciativas próprias e auxílio de agências de fomento nacionais e internacionais, uma estrutura adequada para desenvolvimento de pesquisas analítico-experimentais.

Atrelada à infraestrutura física, houve a construção de grupos de pesquisa sólidos com colaboradores nacionais e internacionais e contribuição para formação de recursos humanos com alunos de iniciação científica, mestrado, doutorado e pós-doutorado. Assim, há na Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo um investimento na ordem de milhões de reais, dólares e euros distribuídos em 3 pavimentos localizados no bloco A3 e, atualmente, há mais de uma centena de projetos e bolsas vigentes.

Há muito material armazenado que precisa ser preservado, pois demandou esforços de coleta que podem não ser reproduzíveis e é fruto do trabalho de muitos anos que ainda servirá para pesquisas durante muito tempo. O processo de interdição e a indiferença da USP frente a isto não nos surpreende e sim nos indigna, principalmente, pelo fato de não ter havido um planejamento institucional para que evacuássemos o edifício a tempo.

Assim, muitos de nós tivemos nossos projetos de pesquisa prejudicados e todo o material se encontra retido no bloco A3 da USP Leste. Tememos pelo nosso trabalho, realizado de forma séria, responsável, visando contribuir para o desenvolvimento da ciência brasileira, papel que compete a pesquisadores da USP.

Manifestamos, através desse documento, nossa profunda indignação com a situação em que fomos colocados e exigimos que a Universidade de São Paulo nos forneça local adequado de trabalho, como determinou a juíza que impetrou a liminar de suspensão das atividades. A maioria das atividades é intransferível, portanto, as soluções dos problemas da EACH além de exequíveis, são prementes. Ainda, exigimos que as responsabilizações sejam de fato apuradas, considerando-se a complexidade e gravidade do caso.

São Paulo, 09 de janeiro de 2014.

Profa. Dra. Adriana P. B. Tufaile

Prof. Dr. Alberto Tufaile

Prof. Dr. Andrea Cavicchioli

Profa. Dra. Anna Karenina A. Martins

Prof. Dr. Cristiano Mazur Chiessi

Prof. Dr. Felipe S. Chambergo

Prof. Dr. Fernando Carbayo

Profa. Dra. Helene Mariko Ueno

Profa. Dra. Júlia Baruque Ramos

Prof. Dr. Marcelo Nolasco

Prof. Dr. Marcos R. Hara

Prof. Dr. Mário Pedrazzolli

Profa. Dra. Michele Schultz

Prof. Dr. Miguel Garay Malpartida

Profa. Dra. Miriam Sannomiya

Profa. Dra. Patrícia Targon Campana

Prof. Dr. Rodrigo Hirata Willemart

Profa. Dra. Sandra Maria Lima Ribeiro

Prof. Dra. Silgia A. da Costa

Profa. Dra. Silvana A. Pires de Godoy

Prof. Dr. Tiago Mauricio Francoy

Profa. Dra. Viviane de Abreu Nunes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.