Professores da Unicamp defendem fim da greve

Professores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) decidiram, em assembléia nesta terça-feira, recomendar o retorno ao trabalho, depois de dois meses de greve conjunta com docentes e funcionários das outras duas universidades estaduais paulistas - USP e Unesp. A Associação de Docentes da Unicamp (Adunicamp) considerou adequada a proposta de reposição salarial feita pelos reitores na segunda-feira à noite.A posição dos professores será transmitida ao Fórum das Seis - entidade que reúne os sindicatos das três universidades -, que acatará a decisão majoritária tomada em assembléias das duas categorias. O Fórum informará a decisão ao Conselho de Reitores das Universidades Paulistas (Cruesp) nesta quarta-feira à tarde.O Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU) informou que acatará a decisão do Fórum das Seis. Os funcionários da Unicamp haviam reiniciado a greve segunda-feira, depois de terem retornado ao trabalho no início do mês.PropostaOs reitores propuseram 2% de reajuste na data-base da categoria, em maio, e 2,14% em agosto. Aplicado um sobre o outro, esses índices chegariam aos 4,18% de inflação medidos pelo Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe) nos 12 meses anteriores à data-base, de maio de2003 a abril de 2004.O Cruesp propôs ainda aplicar uma fórmula sobre o excedente da arrecadação estadual, subtrair dela os 2,14% e aplicar o residual em janeiro. Pelas contas da presidente da Adunicamp, Maria Aparecida Afonso Moysés, o reajuste final chegaria a 6% em janeiro, quando seria aplicado um índice residual entre 1,5% e 2%.Folha de pagamentoO Cruesp informou, por meio de um comunicado, que a proposta recupera o poder de compra dos salários e reduz o comprometimento do orçamento com a folha de pagamento das três universidades, com relação a 2003.De acordo com o Cruesp, se a arrecadação estadual for de R$ 32,9 bilhões neste ano, a folha de pagamento consumirá 91,01% do orçamento da Unesp, 91,49% da Unicamp e 86,07% da USP. Esses números caem, respectivamente, para 90,29%, 90,77% e 85,39% se a arrecadação chegar a R$ 33,17 bilhões, conforme o comunicado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.