Professores da UnB decidem pelo fim da greve

Categoria reinvidica manutenção do pagamento dos ganhos judiciais para não ter redução salarial

Agência Brasil

11 de maio de 2010 | 09h09

Professores da Universidade de Brasília (UnB) decidiram na noite desta segunda-feira, 10, encerrar a greve iniciada em março. Mais de 500 professores participaram da assembleia durante a manhã. A votação que definiu o fim da paralisação foi apertada: 268 docentes eram a favor do término da greve, 261 foram contra e houve seis abstenções. Funcionários técnico-administrativos devem se reunir nesta terça-feira para discutir o futuro da paralisação entre os membros da categoria.

 

Veja também:

linkFundação vai pedir na Justiça que UnB desocupe prédio

 

A greve dos professores da UnB, que começou um dia após o início do semestre letivo, durou 63 dias. Os funcionários reivindicavam a manutenção da Unidade de Referência de Preços (URP) e o pagamento dos ganhos judiciais.

 

Segundo o presidente da Associação dos Docentes da UnB (ADUnB), Flávio Botelho, o corte dos ganhos judiciais, entre eles a URP, acarretaria na redução de um quarto do salário dos servidores da universidade.

 

De acordo com Flávio Botelho, os professores decidiram terminar a greve mas continuar lutando pela garantia dos direitos que já foram adquiridos. "Na reunião de sexta-feira (7) com representantes da Advocacia-Geral da União e do Ministério do Planejamento, o pagamento de todos os ganhos judiciais aos quais os funcionários da UnB têm direito foi garantido. Agora vamos aguardar que o governo cumpra esta decisão."

 

Apesar do fim da greve, as aulas só terão início com a definição do calendário acadêmico de 2010. Na próxima quinta-feira, o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) fará uma reunião que definirá as datas de início e fim do semestre.

Mais conteúdo sobre:
UNBgreveprofessores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.