Professores da rede municipal fazem ato por reajuste no centro

Categoria quer 25% de aumento salarial; Prefeitura diz que está em negociação com o sindicato

O Estado de S. Paulo

28 Abril 2015 | 20h31

SÃO PAULO - Centenas de professores da rede municipal fizeram um ato na tarde desta terça-feira, 28, em frente ao prédio da Prefeitura, no centro da capital. A categoria reivindica 25% de reajuste. A Prefeitura informou apenas que está em negociação com o grupo.

O protesto, segundo a Polícia Militar, reuniu 300 pessoas. Os manifestantes dizem que o ato teve quase 3 mil participantes. Os professores pedem 25% de aumento imediato - o que inclui os 15,38% conquistados na greve de 2014, só que escalonados.

Até agora, segundo o Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal (Sinpeem), a Prefeitura só reforçou as propostas de reajuste de 5,54% em maio e 3,74% em maio do ano que vem.

Outra sugestão da Prefeitura, de acordo com a entidade, foi o reajuste de 10%, como abono, sobre os pisos dos profissionais de educação a partir de outubro. O salário passaria de R$ 3 mil para R$ 3,3 mil. Essas porcentagens, porém, seriam incorporadas ao salários somente a partir de 2017.

A Prefeitura também propõe, diz o Sinpeem, aumentar em 10% o valor máximo do Prêmio de Desempenho Educacional (PDE), que iria de R$ 2,5 para R$ 2.640. Além da remuneração, o sindicato quer discutir com a Prefeitura melhoria das condições de trabalho.

Negociação. "Por enquanto, não aceitamos nem rejeitamos o que foi oferecido", afirmou Cláudio Fonseca, presidente do Sinpeem. "Faltou a Prefeitura detalhar as propostas e mostrar como elas serão implementadas", completou. Segundo ele, novas reuniões serão agendadas para discutir a pauta.

Em nota, a Secretaria de Comunicação da Prefeitura não informou os valores apresentados à categoria. Disse somente que "mantém uma política de diálogo permanente com todas as categorias de servidores municipais".

A rede estadual de ensino está em greve há 46 dias. A categoria reivindica reajuste de 75% nos salários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.