Rafael Arbex / ESTADÃO
Rafael Arbex / ESTADÃO

Professores da rede estadual mantêm greve e protestam em SP

PM faz cordão de isolamento em todo o prédio da secretária estadual de Educação, após tentativa de invasão na quinta-feira

Isabella Palhares, O Estado de S. Paulo

24 Abril 2015 | 17h17

SÃO PAULO - Os professores da rede estadual de São Paulo aprovaram em assembleia nesta sexta-feira, 24, a continuidade da greve, que começou no dia 16. Após a reunião, os manifestantes seguiram em marcha pelas ruas do centro da capital paulista e chegaram a fechar a Rua da Consolação e a Avenida Ipiranga. 

Depois de uma tentativa de invasão ao prédio da secretária estadual de Educação na última quinta-feira,  a Polícia Militar faz um cordão de isolamento em todo o prédio. Manifestantes dizem que vão "abraçar" o prédio. 

A direção da Apeoesp - principal sindicato da categoria - calcula que 50 mil pessoas participem do protesto. Já a PM informou que o ato conta com cerca de 15 mil pessoas.

O professor de matemática Ailton Alcântara, de 40 anos, disse que lamenta o sucateamento da educação no Estado. "Os salários são baixos, as salas superlotadas. É o legado para as próximas gerações". 

Lúcia de Oliveira, professora de português, disse estar cansada da desvalorização que sofre.  "Tenho alunos no ensino médio que ganham mais do que eu".

Mais conteúdo sobre:
Educação greve dos professores

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.