LUIZ CLÁUDIO BARBOSA/CÓDIGO19
LUIZ CLÁUDIO BARBOSA/CÓDIGO19

Professores da rede estadual mantêm greve e fazem protesto em SP

Marcha terminou na Sé; Choque acompanhou a manifestação

Diego Moura e Raquel Brandão, O Estado de S. Paulo

23 Abril 2015 | 14h12

SÃO PAULO - Professores da rede estadual de São Paulo decidiram manter a greve iniciada no dia 16 de março. De acordo com a Apeoesp - sindicato da categoria -, após reunião de cerca de 2 horas, não houve acordo. 

Os professores decidiram em uma assembleia, em frente à Praça da República, fazer uma marcha pelas vias do centro da capital. O protesto chegou à Praça da Sé, onde foi encerrado. De acordo com a Polícia Militar, cerca de 350 manifestantes chegaram a ocupar o Viaduto Maria Paula. Anteriormente, o protesto estava previsto para seguir até a Marginal do Tietê.

De acordo Leandro Aguiar, professor da rede estadual presente na manifestação, "a polícia realizou uma barreira e a Apeosp recuou". O Batalhão de Choque acompanhou a manifestação. 


Invasão. Mais cedo, manifestantes tentaram invadir a Secretaria Estadual de Educação de São Paulo. Houve gritaria, pânico e pelo menos uma porta de vidro foi quebrada na sede da secretaria, na Praça da República, centro da capital. A Polícia Militar agiu para esvaziar o prédio usando gás de pimenta.

Mais conteúdo sobre:
greve de professoresSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.