GABRIELA BILO/ ESTADAO
GABRIELA BILO/ ESTADAO

Professores da rede estadual decidem manter greve em SP

Manifestantes saíram em passeata do vão livre do Masp em direção à sede da Secretaria da Fazenda

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

15 Maio 2015 | 17h04


Atualizada às 20h00

SÃO PAULO - Professores da rede estadual de São Paulo aprovaram a continuidade da greve em assembleia no vão do Museu de Arte de São Paulo (Masp) nesta sexta-feira, 15. A paralisação já dura dois meses e outra assembleia foi agendada para a próxima sexta, 22.

Eles saíram do vão do Masp, onde ocorreu a votação, em passeata em direção à sede da Secretaria da Fazenda para pedir o pagamento dos dias parados na greve. Foi aprovado um trajeto que inclui  bloqueio de vias centrais da capital, como a Brigadeiro Luís Antonio e a  Avenida 23 de Maio. 

Por volta das 17h, os manifestantes ocuparam totalmente a Avenida Paulista, no sentido Paraíso. Às 18h, o grupo bloqueou a 23 de Maio, no sentido centro. Em frente à Secretaria da Fazenda, os professores gritavam: "Tem que pagar, paga já!" e "Geraldo, seu trapaceiro, devolve o meu dinheiro!", em referência ao corte de ponto. 

Segundo a Polícia Militar, 3 mil manifestantes participam do ato. A Apeoesp fala em 60 mil manifestantes. A PM acompanha o ato com pelo menos 14 motocicletas e seis viaturas, além da tropa de braço.

Reivindicações. O governo estadual cortou o ponto dos professores no holerite de maio e trava uma disputa com a categoria na Justiça pelos descontos. Na última decisão, do Órgão Especial do Tribunal de Justiça, o corte de ponto foi proibido, mas cabe recurso. 

Os professores da rede estadual, liderados pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), estão em greve desde o dia 16 de março. Eles  pedem reajuste salarial de 75,33% para que, segundo cálculo do sindicato, haja equiparação da categoria a outras profissões com ensino superior. A meta é prevista no Plano Nacional de Educação (PNE), sancionada em 2014 pela presidente Dilma Rousseff.

Na última reunião da categoria com a Secretaria Estadual de Educação, o governo disse que manterá a política salarial e que deverá apresentar um índice em junho. Também foram reforçadas propostas aos docentes temporários, como aumento do contrato para 3 anos e inclusão em plano médico dos servidores públicos (Iamspe). 

O governo considera a greve "extemporânea"  e tem afirmado que a adesão é inferior a 10% de toda a rede estadual. Já a Apeoesp fala em 50% de adesão.

Cidade. Os professores da rede municipal de São Paulo também realizaram um ato nesta sexta-feira, na frente da Prefeitura. Cerca de 1,5 mil manifestantes, segundo a PM, estiveram no protesto, que teve início às 14h e se dispersou por volta das 17h40.

É o segundo protesto da categoria - o último ocorreu no dia 7 de maio. Eles reivindicam reajuste salarial de 25% - a capital ofereceu 10% de aumento em forma de abono, a serem pagos em outubro e incorporados em 2017. A incorporação de 5,5% neste mês, conquistados após a greve de 2014, está garantida, bem como outras duas no próximo ano. A rede não está em greve, mas o sindicato não descarta a possibilidade. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.