Professores consideram prova longa, mas bem elaborada

Último dia de provas da 2ª da Unicamp teve questões das ciências da natureza

Ana Bizzotto, Estadão.edu

18 Janeiro 2011 | 20h47

Enunciados longos, mas bem elaborados, foram características apontadas por professores de cursinho de São Paulo para descrever o último dia de provas da 2ª fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Com 24 questões dissertativas, o exame desta terça-feira, 18, abordou os conteúdos das ciências da natureza – física, química e biologia.

 

Para o coordenador de física do curso Objetivo, Eduardo Figueiredo, os enunciados "complexos e longos" de todas as questões do exame, com dois itens cada, fizeram com que o tempo se tornasse curto. “A parte de química foi a mais difícil por causa da complexidade das questões. Abordaram fenômenos atuais, ligados ao cotidiano, que fogem um pouco do conteúdo tradicional a que o aluno está habituado”, afirma Figueiredo. “A Unicamp está contextualizando tanto que uma questão que teria resolução fácil passa a ser difícil.”

 

A prova de biologia, na avaliação do coordenador, foi de mais fácil resolução. “Foram enunciados mais curtos, e os conceitos abordados não eram tão profundos”, afirma ele. Sobre a prova de física, Figueiredo comenta que a questão 22 gerou dúvidas por não ter colocado parênteses para separar unidades de medida. “A correção deveria interpretar as duas possibilidades, mesmo que uma delas fique fora da realidade.”

 

Para ele, embora a resolução seja relativamente curta, a prova teve questões mais difíceis que no ano passado. Está bem mais contextualizada, tem contas difíceis e enunciados complicados. O aluno tem de ler com muito cuidado e estar muito bem preparado."

 

Ronaldo Moura de Sá, coordenador de física do Anglo, considerou a prova exigente. "Mas é um nível de dificuldade compatível com a Unicamp. Ninguém vai achar fácil, mas não é uma prova impossível de fazer. Abrangeram o que é importante na disciplina com uma contextualização interessante."

 

Para o coordenador de física do Etapa, Marcelo Monte, a prova não teve surpresas. “Embora tenha tido diminuição de quatro questões, a distribuição de conteúdos foi boa equilibrada e manteve o estilo de provas anteriores", disse. "É uma prova exigente, bem feita, que exige boa capacidade de leitura e interpretação de textos técnicos."

 

Monte acredita que a segunda fase é estressante para os alunos por causa do tempo curto para resolver as questões. “É sempre uma prova corrida. O aluno tem de raciocinar rápido, não tem tempo de ficar revisando.”

 

O supervisor de química do Anglo, João Usberco, avalia que os candidatos a vagas em cursos da área de humanas tiveram muita dificuldade na prova de química.

 

“Foi uma prova de nível entre médio e alto, mais adequada e claramente voltada a alunos de exatas e biomédicas. As questões de química são todas trabalhosas, o tempo é curto e o espaço é pequeno, insuficiente para fazer uma resolução caprichada. Deveria ter tido questões mais simples ou mais diretas para considerar também os alunos de humanas", afirma Usberco.

 

Para o coordenador de química do Etapa, Édison Camargo, a prova teve questões atuais e bem elaboradas, mas que exigiram esforço muito grande do candidato para compreender - e "maior ainda" para escrever. "Foi tão difícil quanto a dos anos anteriores. As questões falam de situações reais, que são muito mais complicadas do que as de laboratório. Era necessário ter um poder de síntese muito grande para escrever naquele espaço. Isso tornou a prova mais difícil. E o tempo, como sempre, foi curto."

 

O coordenador de biologia do Etapa, Angelo Pavone, considerou a prova tranquila. "Foi bem elaborada, com textos bem claros. O aluno entendia o que o examinador queria. Um exame clássico, tradicional, sem inovações, que explorou os conceitos básicos da biologia de forma bem distribuída. O aluno não foi surpreendido por nada."

 

Sezar Sasson, coordenador de biologia do Anglo, ressaltou a qualidade da prova. "Foram oito questões bem elaboradas e criativas. Embora peçam assuntos clássicos, a elaboração é muito boa."

 

Segunda fase. As provas da 2ª fase começaram domingo e terminaram nesta terça-feira, 18, em 21 cidades do País. Hoje, a abstenção foi de 9,7% - dos 16.644 convocados, 1.626 não compareceram ao último dia de provas. A abstenção no primeiro dia de provas foi de 8% e, no segundo, de 9,3%. Veja as provas do domingo e da segunda-feira.

 

Os 16.644 candidatos convocados concorrem a 3.444 vagas em 66 cursos da Unicamp e dois cursos da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp).

 

Na próxima semana, os candidatos aos cursos de Arquitetura e Urbanismo, Artes Cênicas, Artes Visuais, Dança e Música devem fazer as provas de habilidades específicas, que serão realizadas entre os dias 24 e 27 de janeiro, em Campinas. Os candidatos devem consultar as orientações específicas, como locais e horários, neste site.

 

A primeira lista de aprovados será divulgada no dia 7 de fevereiro, às 12h, neste site e no saguão do Ciclo Básico II, no câmpus da Unicamp em Campinas.

Mais conteúdo sobre:
Unicamp Vestibular

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.