Hélvio Romero/AE
Hélvio Romero/AE

Professores brasileiros fazem curso no Cern

Dezenove docentes foram selecionados para fazer um curso sobre física de partículas no centro

Mariana Mandelli, O Estado de S. Paulo

13 Setembro 2010 | 13h51

O sonho de visitar o maior laboratório de física do mundo não só se tornou realidade como veio com uma grande oportunidade: a de fazer um  curso na Escola de Professores no Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (Cern), em Genebra, na Suíça.

 

Dezenove professores brasileiros que lecionam física para o ensino médio, nas redes públicas e particulares, foram selecionados para fazer um curso sobre física de partículas no centro. Além de estudarem, eles devem conhecer o Grande Colisor de Hádrons (LHC), o acelerador de partículas do Cern.

 

O projeto é uma parceria entre a Sociedade Brasileira de Física (SBF) e o Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF). Participaram da seleção para o curso mais de 200 professores brasileiros. Para se inscrever, todos tiveram de desenvolver projetos que objetivassem divulgar entre os alunos o aprendizado obtido na Suíça.

 

Para a professora Ana Luiza Pires, que dá aulas no Colégio Equipe e no Miguel de Cervantes, a aprovação no curso foi uma surpresa. “Qualquer físico reconhece a importância do Cern. Estou muito emocionada”, afirma.

 

Maria da Glória Martini, do Colégio Móbile, considera o curso uma oportunidade única na carreira. “Aqui no Brasil não temos opções de cursos dessa grandeza. Tenho certeza de que todo esse aprendizado vai retornar para a sala de aula”, diz.

 

A viagem para Genebra é a primeira vez em que a professora Gláucia Costa, há 24 anos na rede estadual de São Paulo, sai do País. “Eu me sinto  recompensada por tudo que fiz até hoje”, conta. “Vou reviver um pouco da física nuclear que vi na faculdade.”

Mais conteúdo sobre:
Cern Física

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.