Professores apontam erro em questão do vestibular do Mackenzie

Para Anglo, questão de Biologia sobre genes não tem resposta; organização faz 2 mudanças em gabarito

Estadão.edu

14 Dezembro 2011 | 20h33

 Professores do cursinho Anglo afirmaram que a questão 41 da prova A do vestibular do Mackenzie, aplicado hoje, não tem resposta. Antes da manifestação do Anglo, a organização do exame já tinha alterado o gabarito de duas questões: a 58 da prova A (alternativa correta é a da letra A, e não a da E) e a 7 da prova B (a alternativa correta é E, e não A).

No gabarito, a questão mencionada pelos professores do cursinho, de Biologia, tem como alternativa correta a letra D. O enunciado diz que um casal de pessoas polidáctilas (nascidas com seis dedos ou mais) e pigmentação normal de pele tem um filho também polidáctilo, mas albino.

O texto pede ao candidato que assinale a alternativa correta, considerando que ambos os caracteres são condicionados por genes autossômicos (que não variam entre homens e mulheres) e o gene para a polidactilia é dominante.  A alternativa D afirma que os pais são heterozigotos (tem genes diferentes) para ambos os caracteres.

“O aluno não tem dados para deduzir isso”, afirma o professor do Anglo Renato Corrêa Filho. “A alternativa ‘correta’ exige que os candidato conheça o genótipo (conjunto de genes de cada indivíduo) dos pais e isso não ocorreu.”

Corrêa Filho considerou o resto da prova de Biologia satisfatório. “Em alguns casos ela exigiu um conhecimento mais profundo, de termos médicos.”

No geral, a principal crítica feita à prova diz respeito à pouca abrangência.  No vestibular do Mackenzie, o candidato é avaliado em todas as disciplinas em um único dia.

“É um número pequeno de questões, 7 por disciplina, com exceção de português, que tem 11”, disse o coordenador do Anglo Alberto Francisco do Nascimento. “Em História, por exemplo, só havia duas perguntas sobre História do Brasil.” Ele também criticou a prova de Física, que teve “excesso de cálculos e temas pouco relevantes”.

O professor elogiou, porém, as ilustrações e os textos de referência no exame de Geografia e a redação. “Eles partiram de quatro textos para fazer o candidato analisar a questão do conhecimento, da sabedoria e do excesso de informação. É interessante porque hoje há muita facilidade de acesso à informação, mas as pessoas precisam saber discernir o que tem ou não qualidade.”

Mais conteúdo sobre:
mackenzie anglo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.