Professora publica livro com dinheiro de bônus

A obra, escrita por ela e mais três alunos, é a primeira de uma série de dez

Ana Bizzotto, Especial para O Estado de S. Paulo

23 Setembro 2009 | 17h27

O entusiasmo e a determinação de três estudantes e uma professora da Escola Estadual Professor Sergio da Costa, no Tremembé, zona norte de São Paulo, foram recompensados na última sexta-feira com a realização de um sonho: lançar um livro que escreveram há um ano e finalmente conseguiram publicar.   O segredo dos amuletos, de autoria da professora Sandra Modesto e dos alunos da 7ª série do Ensino Fundamental Luan Cardoso, Matheus Mendes e Thaís Mariano, foi lançado na sede da Diretoria de Ensino Norte 2, com a presença de diretores de escolas e professores. No segundo lançamento, realizado anteontem na escola, os autores foram aplaudidos por colegas, professores e pais que ocuparam o auditório improvisado no pátio para o evento.   Orgulhosos de ter em mãos o resultado do trabalho, os estudantes descreveram com entusiasmo a experiência de autografar os exemplares. "A gente tinha ensaiado o que ia escrever, mas a emoção é tão grande que cada autógrafo saiu de um jeito", descreve Thaís, de 13 anos. "Não esperávamos tudo isso. A gente autografou tantos livros que a mão até doeu, mas foi uma dor gostosa de sentir", afirma Luan, de 14 anos.   Em reportagem publicada pelo Estado em março deste ano, Sandra afirmou que usaria o bônus pago pela Secretaria da Educação aos professores da rede estadual para financiar a publicação. Não só cumpriu o prometido como conseguiu espaço para o lançamento do livro e foi parabenizada pelo secretário Paulo Renato em um vídeo gravado e exibido nos dois eventos.   "Ganhei cerca de R$ 3 mil, mas os gastos ficaram torno de R$ 5 mil. Completei o que faltou para conseguirmos imprimir esses 3 mil exemplares. Colocamos à venda e os professores e pais estão comprando para ajudar", explica a professora, que pretende enviar um projeto para a Lei Rouanet. O objetivo é conseguir imprimir 3 exemplares para cada uma das 5.400 escolas estaduais paulistas. "É um livro feito por crianças para crianças. Acho que isso pode incentivar outros alunos a escrever, imagine quantos talentos podem ser descobertos", anima-se.   Para a diretora da E.E. Sergio da Costa, Renata Javarotti, o livro demonstra o potencial dos estudantes e valoriza o trabalho da escola, que em 2008 teve a pior colocação no Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo (Idesp) de 1ª a 4ª série e neste ano superou em 20% a meta estabelecida pela Secretaria da Educação. "É muito importante valorizarmos esse momento. Assim como esses jovens, que estão conosco desde que eram crianças, tenho certeza de que há muitos outros talentos em nossa escola. Temos de ajudar a despertá-los."   A ideia do livro partiu de uma história que Luan mostrou à professora. Ele queria publicá-la no jornal mural, mas Sandra percebeu que aquele enredo poderia ir além dos murais da escola. Deu um caderno ao aluno e recomendou que ele criasse personagens originais para a história. Logo depois, Matheus e Thaís se juntaram a Luan e começaram a se reunir semanalmente na casa da professora para levar os textos, discuti-los e escrever com ela o livro, que ficou pronto em três meses.   A história se passa em São Paulo nos dias atuais e tem como protagonista o garoto Marcelo, de 11 anos, que descobre ter um amuleto com poderes mágicos. "Muitos personagens são inspirados em pessoas que conhecemos, inclusive em nós mesmos, mas cada um deles já formou uma personalidade própria", revela Matheus, de 13 anos.   A imaginação é tanta que não coube tudo em uma obra só: eles já estão finalizando o terceiro livro da série de dez que pretendem publicar. Com tanto trabalho pela frente, o grupo conta agora com um quinto integrante, o estudante da 6ª série Paulo Giordan, de 12 anos. "Tenho muito medo da história acabar, está sendo uma diversão e um aprendizado muito grande para a gente", afirma o aluno. Os cinco escritores preferiram manter segredo sobre o final da série, mas adiantaram que será surpreendente.

Mais conteúdo sobre:
pontoedu Lei Rouanet Idesp Educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.