Professora do Objetivo analisa redação de candidato da Fuvest

O título Altruísmo na essência humana revela uma preocupação de responder – no caso, afirmativamente - à pergunta feita no enunciado.

Maria Aparecida Custódio*, Especial para o Estadão.edu

30 Maio 2011 | 23h57

 

Já no parágrafo inicial, o autor demonstra ter feito não apenas uma leitura atenta, mas também um aproveitamento planejado, dos textos que compuseram a prova de redação. Ao remeter-se à “fragilidade dos laços interpessoais” e aos “pensamentos a longo prazo” - ideias presentes no texto 3 da coletânea, o autor reproduz a questão proposta pela banca examinadora no enunciado (“O altruísmo e o pensamento a longo prazo ainda têm lugar no mundo contemporâneo?”), porém o faz recorrendo ao antônimo da palavra altruísmo: “Estaríamos nos tornando mais egoístas?”

 

Essa apropriação do tema já no primeiro parágrafo permite que o candidato se atenha, nos parágrafos seguintes, ao que foi proposto, evitando, assim, eventuais desvios do assunto.

 

No desenvolvimento do texto, o autor continua valendo-se da coletânea. Contudo, parece incorrer, no segundo parágrafo, numa certa contradição ao denunciar a inexistência da “cultura do sacrifício”: “mas quando ela esteve viva?”. Nessa linha de raciocínio, “ícones conhecidos pela grandeza de seus valores” representariam “exceções” num “ambiente conturbado e carente desses mesmos valores”.

 

Nos  parágrafos seguintes, o candidato busca lançar – e consolidar - a tese de prevalência do altruísmo, refutando a existência de uma sociedade “com proposta mais individualizadora” por contrapor-lhe “altruísmo e solidariedade”, “o que reforça que a humanidade, em essência, não mudou”. A ideia de que “o altruísmo e a solidariedade são de fato parte da natureza” se comprova na referência ao “volume de doações para a caridade” e nos “exemplos de sacrifício em prol do próximo”.

 

O candidato conclui o texto respondendo implicitamente à pergunta feita no final do primeiro parágrafo - “estaríamos nos tornando mais egoístas?” -, por lembrar que “mesmo hoje há grandes exemplos de altruísmo”.

 

Em linhas gerais, trata-se de um texto bem escrito  e bem pontuado, que revela capacidade de análise crítica e que tem como ponto alto a linguagem diversificada, colocada a serviço da adequação ao tema. Nesse sentido, nota-se um empenho, por parte do candidato, em dialogar com o tema ao longo do texto (em todos os parágrafos, aparecem alusões a altruísmo - ou seu contrário, egoísmo -, solidariedade,  sacrifício, abnegação...).

 

Cabe lembrar que a correção leva em conta o desempenho dos demais candidatos para destacar, em meio a milhares de redações, aquelas que mais se aproximam das expectativas da banca. O texto em questão deve ter impressionado a banca sobretudo pela retórica, pela habilidade de manipulação de ideias da coletânea e pela "ousadia" de posicionar-se na contramão da tese defendida pela maioria.

 

* PROFESSORA DE REDAÇÃO DO OBJETIVO

 

Veja também:

 

linkEscrevendo no padrão Fuvest

link'Redações da Fuvest parecem escritas por uma mesma pessoa', diz o escritor Marcelino Freire

linkLeia os comentários dos professores do AngloEtapa e Vértice sobre a redação Altruísmo na Essência Humana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.