Professor estadual cobra por material, dizem alunos

Professores de escolas estaduais de São Paulo estão coletando dinheiro dos alunos para fornecer material didático, segundo denúncias de estudantes. Na Escola Caetano de Campos, no Centro, uma professora de história teria cobrado R$ 1 de cada aluno para fotocopiar a prova que seria aplicada.?A professora disse que não ia passar a prova na lousa e que precisava de R$ 1 para fazer cópia?, conta uma aluna do 1º ano do ensino médio. Na disciplina de geografia, para receber a cópia de um mapa os estudantes teriam de desembolsar R$ 0,10.Na Escola Dona Cyrene de Oliveira Laert, no Jaçanã, zona norte, os alunos denunciam que no começo do ano a professora de português cobrou R$ 3 de cada estudante do supletivo por uma apostila.É proibidoOs professores são proibidos de cobrar por qualquer material, informa a secretaria estadual de Educação. ?Esta é uma prática proibida na rede e o assunto é exaustivamente discutido com as equipes escolares?, informa nota da secretaria.Presidente da Associação de Pais e Alunos de São Paulo, Hebe Tolosa, acha que há conivência dos dirigentes e aconselha que os alunos não paguem. ?Se forem impedidos de fazer prova, podem ir até uma delegacia e registrar um B.O.? Quem quiser mais orientações pode ligar para o fone 11-3662-1723.Apesar de ser contra a arrecadação, o presidente da Apeoesp (o sindicato dos professores estaduais), Carlos Ramiro, diz entender a situação. ?O Estado não dá condições nem para o docente preparar uma prova. Como ele também não tem dinheiro, precisa da ajuda dos alunos?, afirma. ?A não ser que ele simplifique a avaliação e dite tudo, o que não é o caso, não há saída.?

Agencia Estado,

02 de abril de 2004 | 12h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.