DIvulgação/Assessoria do Deputado Estadual João Paulo Rillo
DIvulgação/Assessoria do Deputado Estadual João Paulo Rillo

Professor é detido após tumulto na Assembleia Legislativa

Tumulto em frente a auditório causou a detenção do docente, que tentava participar da audiência pública da categoria em greve

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

22 Abril 2015 | 18h56

Um professor da  rede estadual de Mauá foi detido na tarde desta quarta-feira, 22, após tumulto ocorrido na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). O docente participaria de uma audiência pública que reuniu cerca de 500 professores no local. Os docentes estão há mais de um mês em greve e pleiteam reajuste salarial de 75,33% para equiparação salarial a outras categorias de ensino superior, além de melhorias nas condições de trabalho. 

O docente foi encaminhado ao 36º DP (Vila Mariana), onde assinou um termo circunstanciado e, em seguida, foi liberado. De acordo com a assessoria de imprensa da presidência da Casa, o professor foi detido após participar de um empurra-empurra na entrada do auditório Juscelino Kubitschek. 

Ele foi detido por dano qualificado e resistência, já que um vidro de uma divisória da sala foi quebrado. Durante o conflito, um policial acabou se ferindo no material quebrado. Dois deputados estaduais, Auriel Leal e João Paulo Rillo, ambos do PT, acompanharam o homem até a delegacia. 

Reunião. Liderada pelo Sindicato dos Professores do Estado de São Paulo (Apeoesp), uma comissão deverá ser recebida nesta quinta-feira, 23, pelo secretário de Educação, Herman Voorwald. Durante a reunião, os professores prometem "envelopar" a Secretaria Estadual de Educação (SEE) com holerites. Já na sexta-feira, 24, haverá nova assembleia no vão do Museu de Arte de São Paulo (Masp) para discutir a continuidade da greve. Em seguida, a categoria deve seguir em marcha até a praça da República, onde um grupo de professores acampa há pelo menos três semanas, próximo à SEE.

Mais conteúdo sobre:
apeoespgreve dos professores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.