Professor do Mackenzie faz piadas homofóbicas em sala e no Facebook, dizem alunos

Marco Antônio Ferreira Costa é procurador de Justiça e docente da Faculdade de Direito do Mackenzie

Estadão.edu

30 Agosto 2011 | 20h49

Estudantes de Direito do Mackenzie dizem que o professor Marco Antônio Ferreira Lima, procurador de Justiça do MP-SP, costuma fazer piadas de cunho homofóbico em sala de aula. Nesta terça-feira, 30, Marco Antônio acusou uma aluna de racismo contra seu irmão, o também procurador e docente Paulo Marco Ferreira Lima.

 

Veja também:

 

linkAmeaçada de prisão, aluna é acusada de racismo no Facebook

link'É uma grande calúnia', diz aluna acusada de racismo

 

"A aula dele (Marco Antônio) é séria. Mas, se houver oportunidade, eles faz piadinhas homofóbicas", afirma o aluno do 8.º semestre Rodrigo Rangel, de 22, diretor geral do Centro Acadêmico da Faculdade de Direito do Mackenzie. Rangel já pegou matérias lecionadas por Marco Antônio.

 

Na página pessoal do procurador no Facebook, mensagens sobre homossexualidade são recorrentes. Ele faz várias críticas à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de reconhecer o direito de casais homossexuais à união estável.

 

A reportagem não conseguiu entrar em contato com o professor.

 

Veja alguns posts de Marco Antônio na rede social:

 

Mais conteúdo sobre:
Racismo Homofobia Mackenzie Direito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.