Professor do Anglo analisa redação de candidato da Fuvest

O exame de redação da Fuvest 2011 foi proposto a partir de uma coletânea de quatro textos. Em seguida, a banca solicitava uma dissertação argumentativa, em prosa, com tamanho entre 20 e 30 linhas, sobre o tema: O altruísmo e o pensamento a longo prazo ainda têm lugar no mundo contemporâneo?

Eduardo Calbucci*, Especial para o Estadão.edu

30 Maio 2011 | 23h37

 

Havia a necessidade de o aluno respeitar o padrão culto da língua em seu texto e dar um título a ele.

 

A redação abaixo, divulgada no site da Fuvest como uma das melhores do último vestibular, cumpre essas exigências. O título (Altruísmo na Essência Humana) é bem dado, o texto é efetivamente uma dissertação em prosa, há respeito à norma culta e seu tamanho está dentro do limite exigido.

 

Comentários pontuais

 

Primeiro parágrafo

 

Logo no primeiro parágrafo, o candidato demonstrou ter compreendido a questão posta em debate. O uso do advérbio ainda na pergunta feita pela banca sugere que teria havido uma época em que o altruísmo e o pensamento a longo prazo foram mais valorizados. O aluno percebeu isso, tanto que termina seu primeiro parágrafo com uma pergunta: Estaríamos nos tornando mais egoístas?

 

Essa técnica argumentativa de fazer uma pergunta no início do texto pode ser interessante, desde que o candidato, para garantir a coerência e a progressão de seu texto, procure respondê-la no desenvolvimento de sua argumentação. É o que acontece aqui. O restante da dissertação responde à dúvida: estamos ou não estamos mais egoístas?

 

O primeiro critério de correção da redação, dos três adotados pela Fuvest, diz respeito ao Tipo de texto e abordagem do tema. Isso significa que o candidato deve fazer uma dissertação sobre o tema que foi proposto. Logo no primeiro parágrafo, já se percebe que essa redação será bem avaliada nesse critério.

 

Segundo parágrafo

 

No segundo parágrafo, o candidato aproveita um trecho de um dos textos da coletânea (A cultura do sacrifício está morta), para aprofundar-se um pouco nessa discussão. Ao perguntar, pertinentemente, “mas quando ela esteve viva, em primeiro lugar?”, ele mostra que o altruísmo, o sacrifício, a abnegação, de São Francisco ou de madre Teresa, são mais a exceção do que a regra, colocando em dúvida a tese de que o mundo contemporâneo é que teria colocado fim à solidariedade humana.

 

Além disso, o candidato mostra que, se esses “heróis” existem, é que a paz e o bem comum ainda precisam ser buscados. Mas se existissem mais desses heróis, isso não poderia significar que estamos ainda mais distantes desse ideal? Essas reflexões, que fogem à mesmice, revelam o que a banca chama de capacidade crítico-argumentativa, o que sempre aumenta a nota do candidato.

 

Terceiro parágrafo

 

Aqui, o candidato vai mostrar que sempre houve manifestações de altruísmo e solidariedade entre os homens, sobretudo quando ocorrem “catástrofes e conflitos”. Se, de um lado, o mundo de hoje talvez seja, em alguns aspectos, mais individualista, de outro, há cada vez mais “doações para caridade” e “exemplos de sacrifício em prol do próximo”. Para o candidato, a essência humana não mudou, o que responde à pergunta feita no primeiro parágrafo e demonstra que o texto tem uma visão otimista a respeito da humanidade.

 

Quarto parágrafo

 

Para encerrar o texto, o candidato lamenta que a bondade humana só seja noticiada em momentos de tragédia, pois, para ele, as ações cotidianas, prosaicas, simples, é que revelam o altruísmo das pessoas. Ao concluir sua argumentação com a ideia de que o homem continua a ser o sempre foi, ele retoma o título de sua redação, que fala da “Essência Humana”, comprovando que seu texto é um todo coeso e coerente.

 

O segundo critério adotado pela Fuvest para corrigir as redações é o que a Banca chama de Estrutura. O candidato precisa então demonstrar “capacidade (...) para relacionar os argumentos e organizá-los de forma a deles extrair conclusões apropriadas”. É o que ocorreu aqui.

 

Problemas de norma

 

O terceiro critério de correção da Fuvest é a Expressão, por meio do qual se avaliam “o domínio do padrão culto escrito da língua e a clareza na expressão das ideias”. Como um todo, o texto do candidato revela boa expressão linguística.

 

Mas há reparos. Em vez de “Poderia-se”, seria mais comum escrever “Poder-se-ia”, já que, na língua culta, não se emprega ênclise com formas verbais nos futuros do indicativo. O candidato esqueceu o acento em “heróis”. Também houve um equívoco na grafia do “por quê” e um problema de pontuação: seria melhor ter escrito: “Mesmo porque os exemplos de abnegação (...)”. São deslizes mínimos.

 

Problemas de seleção lexical

 

O candidato, vez por outra, não escolheu as melhores palavras para traduzir suas ideias. Por exemplo, ao escrever “se analisarmos a abnegação e a prudência como condição essencial no contexto da humanidade”, o emprego do substantivo “prudência” não se justifica, pois não há nenhuma remissão no texto ao sentido de cautela, precaução, calma. Além disso, a expressão “no contexto da humanidade” poderia ser mais elegante, até porque o candidato usa outra vez o termo “contexto” de maneira um pouco mecânica.

 

Conclusão

 

Esses pequenos problemas não significam que o texto não é bom. O texto é bem escrito e mereceu boa nota. É preciso que se saiba que pequenos deslizes de norma são tolerados, desde que a capacidade de organizar ideias e de expressar-se de maneira clara e objetiva mantenha-se intocada. Essa redação, a despeito de uma ou outra falha, merece mais elogios do que críticas.

 

* PROFESSOR DE REDAÇÃO DO ANGLO

 

Veja também:

 

linkEscrevendo no padrão Fuvest

link'Redações da Fuvest parecem escritas por uma mesma pessoa', diz o escritor Marcelino Freire

linkLeia os comentários das professoras do EtapaObjetivo e Vértice sobre a redação Altruísmo na Essência Humana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.