Processos de seleção para vagas em cursos de graduação e pós no exterior já começaram

É comum as universidades pedirem ao candidato cartas nas quais explique por que deseja estudar em determinada instituição e merece estar lá

Suzane Frutuoso, Jornal da Tarde

13 Dezembro 2010 | 13h21

As seleções para conquistar uma vaga no exterior começaram em novembro e vão até março para os cursos de setembro de 2011 a junho de 2012 (ano acadêmico no Hemisfério Norte). O processo é trabalhoso. Entre os documentos exigidos estão histórico escolar, comprovação de bom conhecimento do idioma em que as aulas serão aplicadas e de experiência profissional relevante (no caso da pós-graduação).

 

Cartas de recomendação de professores ou de empregadores também são solicitadas. É comum as universidades pedirem ao candidato cartas nas quais explique por que deseja estudar em determinada instituição e merece estar lá, quais foram as experiências pessoais que fizeram diferença em sua vida.

 

Veja também:

 

- Real forte aumenta chance de estudar fora

- Mestrando em Culturas Literárias Europeias consegue bolsa de estudos

 

Os interessados em um curso fora do País podem procurar ajuda nas agências de intercâmbio, que cobram uma taxa para pesquisar escolas, preços e auxiliar no encaminhamento dos documentos. As taxas variam de R$ 300 a R$ 2 mil. Outro caminho é buscar diretamente no site das universidades as informações e exigências de como ingressar na instituição.

 

Os especialistas destacam que o processo de seleção nas universidades estrangeiras, especialmente para pós-graduação, é mais justo que no Brasil. Por aqui, não é incomum as principais instituições questionarem se o candidato já tem uma ligação anterior com a universidade ou com um professor. “No exterior, o que importa é o mérito”, diz Bruno Seixas, da STB. “O estrangeiro foca nas reais capacidades do aluno”.

 

Carla Dolezel, diretora do Instituto Brasileiro de Estudos Avançados (Ibea), que organiza a seleção de alunos para universidades na Argentina, lembra que os estudantes não podem imaginar que a graduação ou a pós em outro país é um curso de férias. “É puxado. O funil no decorrer das aulas é maior que no começo”.

 

Preconceito. Do ponto de vista social o momento no exterior é delicado. Alguns dos destinos procurados por brasileiros para estudar enfrentam manifestações da população contra aumento no índice de desemprego, cortes de benefícios e elevação nos valores dos impostos. Quem se prepara para embarcar num curso fora deve se perguntar se estaria mais vulnerável ao preconceito contra estrangeiros.

 

Dentro do mundo acadêmico, o preconceito não predomina, garantem os especialistas. “Os ambientes nessas universidades são multiculturais e a troca de experiências sobre as diferentes origens dos alunos é um dos principais atrativos que fazem parte do ensino das instituições”, diz Seixas. Para Renata Moraes, da Fundação Estudar, “nossas melhores universidades estão a anos-luz das estrangeiras”.

 

É importante não confundir questões culturais com xenofobia. Na dúvida, o aluno deve procurar o escritório que trata dos estudantes internacionais nas universidades para avaliar o caso.

Mais conteúdo sobre:
Intercâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.