Pressão por cargos atrasa Conselho de Educação

Em meio à crise política do caso Waldomiro Diniz, as dificuldades do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em acomodar aliados afeta o Conselho Nacional de Educação (CNE). A reunião deste mês, prevista para ocorrer entre os dias 12 e 15, foi cancelada porque Lula ainda não nomeou os 12 novos conselheiros ? metade do total de 24 que integram o conselho.A nomeação deveria ter ocorrido no último dia 15, mas vem sendo adiada por causa de pressões políticas, especialmente de setores do PMDB, partido aliado do governo. O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e o senador Hélio Costa (PMDB-MG) fazem força para emplacar nomes que ficaram fora da lista preparada pelo Ministério da Educação (MEC).Donos de universidadesParte do atual impasse teria começado na reforma ministerial de janeiro. Caso tivesse sido nomeado para o Ministério das Comunicações, para o qual esteve cotado, Costa teria deixado sua vaga no Senado para o suplente Wellington Salgado, que vem a ser dono da Universidade Salgado de Oliveira, a Universo.Isso não ocorreu. Agora o senador pressiona o governo a nomear para o CNE a reitora da Universo, Marlene Salgado de Oliveira, mãe de seu suplente.Sarney, por sua vez, estaria por trás do lobby em favor do ex-reitor da Universidade Federal do Maranhão Aldy Araújo, ligado atualmente à Faculdade Euro-Americana, em Brasília. A assessoria de Sarney foi procurada, mas não respondeu ao Estado."Perguntem à Casa Civil"O imbróglio no CNE tem deixado o ministro Tarso Genro desconcertado. Indagado sobre a demora, ele costuma repetir: ?Perguntem à Casa Civil?. É para lá que foi a lista preparada pelo MEC a partir das indicações de entidades do setor.A briga gira em torno das seis vagas da Câmara de Educação Superior, que trata da abertura de faculdades.?Politizar áreas do Executivo não é boa estratégia para nenhum governo. Ainda mais o conselho, que é um órgão de Estado?, diz o vice-presidente da câmara, Édson Nunes, que faz parte da metade de conselheiros com mandato até 2006 ? o mandato dos demais terminou no último dia 13.Um deles foi o agora ex-presidente da câmara, Éfrem Maranhão. Segundo ele, essa é a primeira vez que uma reunião é cancelada por atraso na nomeação dos conselheiros. ?E olha que pressões corporativas sempre existiram?, diz Éfrem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.