Câmara dos Deputados
Câmara dos Deputados

Presidente do Inep diz que data do Enem será mantida e rebate acusações de servidores

Exame está marcado para ocorrer nos dias 21 e 28 de novembro; Danilo Dupas disse, em audiência na Câmara dos Deputados, que as provas estão prontas e as equipes, capacitadas

Leon Ferrari, O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2021 | 12h40

O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Danilo Dupas, disse que a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) está mantida para 21 e 28 de novembro, apesar da saída de 37 servidores de cargos de coordenação, ligados à realização da prova, principal acesso ao ensino superior do País. Em audiência na Câmara nesta quarta-feira, 10, ele disse que as “fases preparatórias foram concluídas” e o órgão está “absolutamente preparado” para as aplicações.

“As provas estão prontas e as equipes, capacitadas", acrescentou Dupas sobre o exame, que tem mais de 3 milhões de inscritos. Ele também disse repudiar e não compactuar com assédio moral - acusação feita contra ele por servidores do órgão, ligado ao Ministério da Educação (MEC). "Até o momento, não há nenhum ato administrativo meu tirando quaisquer responsabilidades do cargo que ocupo”, afirmou. 

Dupas negou ter exposto qualquer funcionário à humilhação e se colocou à disposição para investigar qualquer denúncia feita formalmente. Defendeu, além disso, que sua gestão é “aberta” e está em “constante diálogo” com quadro de funcionários.

O presidente também indicou que o deslocamento de servidores para outros cargos ou setores ocorreu com base no “perfil do funcionário” em busca por “excelência”.  Indicou ainda que os funcionários apenas “colocaram os cargos à disposição”, mas que seguem na função até que o desligamento seja publicado no Diário Oficial da União e também continuam a ser servidores da entidade, por serem concursados.

Os parlamentares acusaram o presidente do Inep de tratar as exonerações com “normalidade” na sessão. "Não é normal 37 pessoas entregarem seus cargos”, disse a presidente da comissão, a deputada Professora Dorinha (DEM-TO). Já o deputado federal Rogério Correia (PT-MG) comparou o atual cenário do órgão federal com o filme Titanic, de 1997, em que os violinos tocam enquanto o barco afunda.  

Órgão do MEC vive crise

Trinta e sete servidores do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do Ministério da Educação (MEC) responsável pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), pediram exoneração e dispensa coletiva na segunda-feira, 8. Eles acusaram Dupas de desmonte da entidade, assédio e desconsideração de aspectos técnicos na tomada de decisões.

A carta de demissão diz que eles entregaram os cargos por causa da "fragilidade técnica e administrativa da atual gestão máxima do Inep". Todos são servidores antigos e experientes, que já passaram por várias provas do exame.

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (Progressistas-PR), afirmou que a saída coletiva tem cunho ideológico. “Eles percebem que não vão se encaixar no novo projeto e acabam criando um fato, para parecer que eles é que estão saindo. Mas eles iam ser saídos mesmo. Está tudo  certo, não tem nada de mais.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.