Prêmios Nobel de Física e Química pedem mais apoio aos jovens

Os ganhadores Nobel foram unânimes ao assegurar que o envolvimento dos jovens na ciência é necessário

EFE,

07 de dezembro de 2008 | 15h20

Os prêmios Nobel de Física e Química 2008 defenderam neste domingo, 7, em Estocolmo, um maior envolvimento dos jovens na pesquisa, o que, segundo eles, demanda maiores investimento e apoio. Assim disseram, em coletiva de imprensa, os Nobel de Física Makoto Kobayasi e Toshihide Maskawa e os de Química, Osamu Shimomura, Martin Chalfie e Roger E. Tsien.   Tsien ressaltou a importância de dar meios às pessoas "relativamente jovens, nos períodos mais criativos de suas vidas". Segundo ele, da metade dos 20 anos até o início dos 40 eles têm "as idéias mais revolucionárias".   Igualmente, Kobayasi, Maskawa e Shimomura pediram que seja dado aos jovens meios e segurança "necessários para assumir riscos" e ressaltaram a "curiosidade" que sentem e que é tão necessária para avançar no mundo da pesquisa científica.   No mesmo sentido, Martin Chalfie lembrou que, quando ele começou a trabalhar em pesquisa, recebeu apoio em seus "desejos quase lunáticos", o que permitiu que chegasse a Estocolmo, onde na próxima quarta-feira receberá o Nobel de Química.   Os prêmios Nobel foram unânimes ao assegurar que esse envolvimento dos jovens é necessário, em um mundo em que há necessidade de seguir se aprofundando no conhecimento em áreas novas como a mudança climática e o desenvolvimento de novas tecnologias.   "Sabemos bastante coisa. Isso nos leva a que nos demos conta de que na realidade sabemos muito pouco", disse Chalfie.   O único a não dar entrevista foi Yoichiro Nambu, que não vai a Estocolmo receber o Nobel de Física, por problemas de saúde.

Tudo o que sabemos sobre:
nobelfísicaquímica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.