Prefeitura de SP
Prefeitura de SP

Prefeitura tem expectativa de retomar aula presencial em fevereiro

Secretaria municipal de Educação, Bruno Caetano afirmou que escolas municipais já estariam preparadas para retorno dos alunos, mas ainda falta aval da Vigilância Sanitária

Felipe Resk e Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2020 | 15h45

SÃO PAULO - A gestão Bruno Covas (PSDB) anunciou nesta quarta-feira, 16, que o ano letivo de 2021 da rede municipal vai começar no dia 4 de fevereiro, com “muita expectativa” para a retomada de aulas presenciais. Segundo a Prefeitura, as escolas já estariam preparadas para receber de volta os alunos, mas o retorno ainda dependeria de autorização da área de Saúde.

“As escolas estão preparadas, os protocolos estão aplicados e aguardamos a autorização da Vigilância Sanitária para retomarmos as aulas de forma presencial no dia 4 de fevereiro, se a Saúde entender ser seguro", afirmou o secretário municipal de Educação, Bruno Caetano. “As aulas estão programadas para o próximo ano e o calendário já foi publicado.”

"Fizemos em 2020 o maior programa de reformas em escolas de que se tem noticia. Foram 500 escolas, das 1.500 que temos no ensino fundamental e médio, que receberam reformas de grande porte neste ano. Elas estão preparadas e os protocolos estão aplicados", afirmou o secretário, reforçando que todos os materiais necessários e indicados pelos protocolos de saúde foram adquiridos.

Com o novo avanço de casos de covid-19 em São Paulo, Covas paralisou o plano de abertura na educação no mês passado. Desde o dia 3 de novembro, as escolas públicas e particulares só tiveram autorização de retomar aulas presenciais para o ensino médio. Para educação infantil e fundamental, o aval é apenas para atividades extracurriculares.

A expectativa de grupos de pais organizados e de escolas particulares é a de que a volta seja ao menos híbrida no ano que vem, ou seja, parte presencial e parte online. Nos últimos meses tem crescido um movimento entre educadores e pediatras sobre a importância da escola se manter aberta mesmo com a piora da pandemia, como foi feito em países europeus.

Ainda segundo o secretário, a Prefeitura também vai começar a entregar na próxima semana os primeiros tablets para os alunos da rede, que foram anunciados em agosto. Pelo cronograma da gestão, 10 mil equipamentos serão entregues neste mês. Para os demais, a previsão é até fevereiro do próximo ano.

O objetivo da Prefeitura é que, com o retorno das aulas, os estudantes usem os tablets no contraturno. “No ano que vem, todos os alunos da rede pública municipal estudarão em tempo integral”, disse Caetano. “Uma parte do turno na escola - se a gente tiver condição, a gente tem muita expectativa de reabrir em fevereiro - e uma parte em casa, com o reforço escolar.”, 

Aluno vai receber auxílio para comprar uniforme

A gestão Covas anunciou, ainda, mudanças para distribuição de uniformes e materiais escolares. Segundo a Prefeitura, cada aluno da rede, por meio do seu responsável legal, vai receber benefício de R$ 387,10 a partir do dia 18 de janeiro para adquirir os materiais, em vez de ser diretamente fornecido pela administração municipal.

A Prefeitura diz ter feito consulta de mercado para definir o valor do auxílio. Pela programação, o benefício seria para comprar cinco camisetas e cinco pares de meia, além de uma jaqueta, blusão, calça, bermuda e par de tênis. “Esse recurso vai ajudar no reaquecimento da economia e reativação do comércio local”, afirmou Bruno Covas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.