Reprodução/Condephaat
Reprodução/Condephaat

Prefeitura aprova prédio da USP no centro de São Paulo

Universidade quer entregar edifício de 16 andares até 2013; gasto previsto é de R$ 11,4 milhões

Felipe Frazão, de O Estado de S. Paulo,

20 Janeiro 2012 | 16h26

SÃO PAULO - A Universidade de São Paulo (USP) obteve aval da Prefeitura para erguer um edifício de 16 andares no centro da capital paulista. O prédio será construído em um terreno onde hoje funciona um estacionamento particular, na já saturada Rua da Consolação. O edifício deve abrigar o setor jurídico da universidade e a Procuradoria da USP, além de repartições da Editora da USP.

 

O Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) autorizou a edificação no dia 12. O Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado (Condephaat) dera parecer favorável em novembro.

 

Como o Estado revelou, a USP prevê gastar R$ 11,4 milhões na construção - dos quais R$ 7,4 milhões foram pagos à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), pela aquisição do terreno.

 

A USP comprou o terreno e o projeto do edifício da Fapesp, que encomendara o prédio ao escritório de arquitetura Castro Mello, em 1991.

 

A USP prevê que as obras terminem em 2013. Como o projeto executivo da obra é de 1991, a universidade terá de fazer modificações para atender novas exigências de acessibilidade, entre outras. Somente depois disso a obra poderá ser licitada.

 

Em dezembro, o arquiteto Eduardo Della Manna, sócio-diretor da empresa PPU, disse que o preço de R$ 4 milhões para o prédio de 16 andares, anunciado pela universidade, está “completamente fora da realidade”.

 

A USP toca simultaneamente outros dez projetos de novos prédios e reformas, com previsão de gastos de R$ 60 milhões por ano até 2013. As obras se concentram no principal câmpus da USP, no Butantã, na zona oeste.

 

* Atualizada às 23h59

Mais conteúdo sobre:
USP Prédio Centro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.