Prefeitos fazem pacto com oposição para ter Escola Ideal

O prefeito de Pimenteiras (PI), Nonato Marreiros, do PMDB, começará a negociar com a oposição um pacto para que, seja quem for o seu sucessor em 2004, mantenha o compromisso da Prefeitura de sustentar uma Escola Ideal. Esta é uma condição fundamental para que o município seja incluído no programa do governo federal lançado nesta quarta-feira, que vai destinar R$ 3 milhões a cada escola modelo.O município tem de se comprometer a manter as crianças na escola, melhorar a remuneração dos professores e erradicar o analfabetismo, seja qual for o prefeito. Ao governo federal caberá equipar a escola, garantir uniforme e merenda aos alunos, livros e transporte escolar. "Não existe oposição em educação", anima-se o prefeito de Icapuí (CE), Dedé Teixeira, do PT. Ele administra uma cidade premiada pelo Unicef pela universalização do ensino e faz planos de investir o dinheiro do programa "numa escola bonita".Na fase piloto do programa Escola Ideal, 29 municípios foram selecionados nos Estados do Piauí, Goiás, Ceará, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Paraíba e Santa Catarina. Os prefeitos tiveram de convencer todos os vereadores, representantes da associação comercial e da sociedade a assinar um documento formalizando o compromisso,R$ 90 milhõesEscola com água potável e banheiro com fossa séptica para os alunos é o sonho que o prefeito de Bocaína do Sul (SC), Osni Flavio de Oliveira (PSDB), pretende realizar com o programa. "Pela primeira vez, saímos do discurso e entramos na prática", elogiou Oliveira. Bocaína do Sul tem 3 mil habitantes espalhados na região rural, os alunos são trazidos de ônibus escolar para uma das cinco escolas.O presidente em exercício, José Alencar, e o ministro da Educação, Cristovam Buarque, lançaram em Brasília o programa anunciando que o MEC remanejou R$ 90 milhões do orçamento deste ano para atender os municípios. Em 2004, o governo pretende atender mais de 130 municípios, mantendo os R$ 3 milhões para cada prefeitura reformar ou construir escolas e bibliotecas, montar laboratório de informática com acesso à internet e comprar móveis.O ministro Cristovam reconheceu que levará pelo menos 15 anos para ter escolas ideais em toda a rede pública. O presidente em exercício ressaltou que "quando melhora a qualidade da educação em um pequeno município, tudo começa a mudar e um futuro melhor começa a ser construído no dia-a-dia de cada família".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.