Por reajuste, funcionários bloqueiam entradas da Unicamp

Categoria está em greve há mais de três meses contra o congelamento de salários; ato causou lentidão na D. Pedro I

O Estado de S. Paulo

01 Setembro 2014 | 12h11

SÃO PAULO - Dezenas de funcionários bloquearam três portarias da Universidade de Campinas (Unicamp) na manhã desta segunda-feira, 1º. O objetivo do "trancaço" foi chamar a atenção para a greve de servidores da instituição por reajuste salarial, que já dura mais de três meses. 

O protesto, feito entre 7h e 11h, causou lentidão na Rodovia D. Pedro 1º (SP-065) durante a manhã. Nesta segunda-feira, a Unicamp iniciou o segundo semestre letivo, atrasado em um mês por causa da paralisação contra o congelamento de salários. Com a mudança de calendário, as aulas do segundo semestre deve terminar só em 2015. Os professores suspenderam a greve há um mês depois que a reitoria ofereceu abono de 21% sobre o salário de julho.

Nesta quarta-feira, 3, o conselho de reitores das universidades estaduais volta a se reunir para discutir a pauta salarial. No primeiro semestre, o reajuste zero foi justificado pela crise financeira das instituições, que gastam praticamente toda a receita com a folha de pagamento.

Mais conteúdo sobre:
Unicamp Campinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.