Polícia prende 7 por fraude em vestibular

Policiais disfarçados de fiscais flagraram esquema que beneficiaria candidatos a vagas na Universidade de Cuiabá

Fátima Lessa, Especial para O Estado de S. Paulo

01 Dezembro 2010 | 11h33

A Gerência de Combate ao Crime Organizado da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso prendeu no sábado sete pessoas  acusadas de fraudar o vestibular da Universidade de Cuiabá (Unic). O grupo, que concorria a uma vaga em Medicina, foi indiciado por estelionato e formação de quadrilha.No sábado, policiais disfarçados de fiscais flagraram candidatos com celulares acoplados nos sapatos. No dia seguinte, vários vestibulandos que compraram respostas das questões também foram levados à DElegacia.

 

No total, 22 candidatos prestaram depoimento aos delegados Ana Cristina Feldner e Luciano Inácio da Silva. Segundo Ana Cristina, o líder do grupo, Fortunato Simões Franco, de 19 anos, foi preso em um bairro de Cuiabá enquanto repassava as respostas por meio de toques nos celulares do candidatos.

 

O esquema era simples: um toque, letra A; dois toques, letra B; e assim por diante até a letra E. A abordagem dos policiais disfarçados ocorreu quando os candidatos terminavam a prova.

 

Os candidatos que participaram do esquema pagaram o serviço à vista ou em parcelas.“Era um pagamento de R$ 20 mil ou duas parcelas de R$ 10 mil”, diz a delegada. Na casa da namorada de Fortunato, a polícia apreendeu R$ 46 mil, sendo R$ 23,5 mil em dinheiro e R$ 22,5 mil em cheques. Na cueca de Fortunato estavam escondidos outros R$ 5 mil.

 

De acordo com a delegada, o grupo vinha sendo monitorado deste o primeiro vestibular da Unic, no início de 2010, quando houve denúncia de uma possível fraude na realização dos exames. “A fraude não teve conivência da faculdade”, disse a delegada. O grupo não esperava que fossem três provas diferentes, o que teria dificultado o trabalho.

 

Desclassificação. Em nota à imprensa, a Universidade de Cuiabá afirmou que desclassificou os candidatos identificados e vai apurar eventuais responsabilidade de outros envolvidos.

Mais conteúdo sobre:
fraude vestibular cuiabá polícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.