DANIEL TEIXEIRA/AE
DANIEL TEIXEIRA/AE

Poli planeja 1º curso trilíngue da USP

Engenharia em Santos terá até 30% do conteúdo com mestres estrangeiros; parceria foi firmada com cinco universidades francesas

Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

04 Novembro 2015 | 03h00

Apesar da grave crise financeira enfrentada pela Universidade de São Paulo (USP), a Escola Politécnica planeja abrir uma nova graduação de Engenharia no câmpus de Santos em 2018. A proposta do curso é ter aulas em três idiomas - português, francês e inglês -, o primeiro da instituição nesse formato.

O curso terá classes com docentes da USP e de cinco universidades francesas, parceiras da Poli nesse projeto. A ideia é ter de 20% a 30% do conteúdo com professores estrangeiros e reforço de idioma aos calouros para frequentar essas classes. São previstas 60 vagas anuais. 

A reitoria informou que a criação do curso ainda depende do aval do Conselho de Graduação. O projeto será levado pela Poli ao órgão só em 2016. 

O perfil da graduação será generalista, diferente das outras Engenharias da USP, atualmente mais especializadas. “O engenheiro do futuro precisa ter formação mais abrangente, capacidade de correlacionar questões, como em energia e meio ambiente”, explica Laerte Sznelwar, professor da Poli que coordena a comissão para desenvolver o curso. 

Para atingir esse objetivo, outra proposta é ter carga horária maior de humanidades e Ciências Biológicas. Ao fim da formação, de acordo com ele, o aluno ainda teria a opção de fazer uma especialização, por dois anos. 

Financiamento. Com a crise da universidade, a Poli não pretende recorrer aos cofres da reitoria. “Não vamos disputar recursos do ICMS (uma cota do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços é a principal fonte de receita da USP)”, diz Sznelwar. “Buscaremos verba do setor público e privado, mas sem perder o caráter público do curso.”

Inaugurado em 2012, o câmpus de Santos já tem um curso da Poli, o de Engenharia de Petróleo. A reitoria planejava expansões já em 2016, mas os projetos foram interrompidos pelas restrições orçamentárias. A diretoria da Escola Politécnica da USP inaugurou na semana passada o Laboratório de Geomática do câmpus, justamente para dar suporte às atividades das disciplinas de Geomática e Informações Espaciais para o curso de Engenharia de Petróleo. Os investimentos nos equipamentos foram feitos diretamente pela direção da Poli-USP.

A USP Santos funciona na antiga Escola Estadual Cesário Bastos. O prédio histórico ainda precisa de reformas para ser totalmente aproveitado pela universidade. Segundo Sznelwar, outros imóveis públicos poderão ser usados para abrigar a nova graduação. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.