'Podendo resolver 99,9% dos casos, não há porque anular Enem', diz Haddad

Ministro da Educação disse que cronograma será mantido conforme edital

Estadão.edu

12 Novembro 2010 | 13h29

O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse que o cronograma da divulgação dos resultados do Enem será mantido conforme o que está previsto no edital. A entrevista foi concedida nesta manhã ao Jornal Hoje, da TV Globo, após a Justiça ter acolhido recurso da Advocacia Geral da União (AGU) contra a liminar que suspendia o exame.

 

De acordo com Haddad, outras datas do cronograma também serão mantidas. "Podendo resolver 99,9% dos casos, não haveria razão para anulação de um exame desta magnitude", diz. O ministro insistiu que o Enem prevê uma "tecnologia" que permite que seja aplicado um novo exame com o mesmo nível de dificuldade, sem prejuízo dos candidatos.

 

Quanto à data da nova prova, Haddad disse que o consórcio definirá de acordo com o número de alunos que terão que fazê-la. "Nossa preocupação é que não coincida com nenhum vestibular." 

 

O ministro da Educação Fernando Haddad também disse nesta sexta, em entrevista coletiva, que a única falha da atual edição do Enem foi "gráfica".

 

Segundo ele, o consórcio responsável (Cespe/Cesgrario) assumiu a responsabilidade e fará a nova prova a ser reaplicada sem nenhum custo aos cofres públicos.

Ele observou que em relação ao ano passado, "houve melhora em quase tudo". Citou melhoria na segurança, no cronograma, nas inscrições

("não tivemos problema de inscrições, o site suportou milhões de acessos por minuto") e destacou que só existiram três problemas de

alocação de aluno em sala de aula.

 

"A evolução foi muito grande", avaliou, ao lembrar que em educação não há sucesso completo. "Sempre tem espaço para melhorar".

 

O resultado do gabarito do Enem cuja divulgação também havia sido suspensa será divulgado ainda hoje.

Mais conteúdo sobre:
Enem Anulação Haddad cronograma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.