PEDRO TEIXEIRA| AG. O GLOBO
PEDRO TEIXEIRA| AG. O GLOBO

PM do Rio usa spray de pimenta e retira alunos de secretaria

Trinta adolescentes foram surpreendidos por operação ainda de madrugada; polícia alegou ter ‘esgotado’ as formas de negociação

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

21 Maio 2016 | 19h35

RIO - Um grupo de policiais do Batalhão de Choque da Polícia Militar do Rio invadiu o prédio da Secretaria Estadual de Educação, no Santo Cristo, região central do Rio, ontem de madrugada, e retirou à força cerca de 30 alunos que o ocupavam para pressionar o Estado por melhorias nas escolas em que estudam. Os PMs usaram spray de pimenta e arrastaram os estudantes para fora do edifício, dois deles desacordados.

Os soldados chegaram por volta das 4 horas e surpreenderam os alunos, que estavam dormindo. Segundo a PM, a ação durou meia hora. “Houve diálogo entre o Batalhão de Choque e os estudantes”, alegou a corporação em uma nota oficial, em que afirma também que os estudantes concordaram em ir para casa, mas depois mudaram de posição. “Neste momento, em que foram esgotados todos os mecanismos de negociação, foi necessário o uso progressivo da força, utilizando sprays de pimenta”, diz o texto.

Imagens veiculadas pela TV Globo indicam violência na abordagem. Os dez PMs encarregados de liberar o prédio não tinham a chave do portão de ferro da secretaria e tiveram de forçar sua abertura. Enquanto um arrombava a entrada, outro policial jogou spray de pimenta pelas frestas da parte superior da porta, para que seus efeitos (irritação dos olhos e dificuldade de respiração) fossem sentidos pelos estudantes.

Logo em seguida, as imagens mostram PMs saindo do prédio puxando com violência os alunos – adolescentes com uniformes de escola. Segundo a própria PM, dois deles chegaram a ficar desacordados, por terem aspirado o spray de pimenta. “Os agentes estavam no local para “manter a integridade física dos ocupantes e evitar depredações no prédio.” Ontem, à tarde, o patrulhamento no entorno da secretaria foi reforçado.

A Secretaria da Educação divulgou que “conforme solicitado pelos ocupantes, durante toda a tarde e noite de ontem , recebeu todas as reivindicações e debateu uma a uma com o secretário (Wagner Victer, recém-nomeado), em assembleia de quatro horas”. “O compromisso estabelecido pelos ocupantes era de que, ao serem recebidos e terem debatidas as pautas, desocupariam o local, o que foi cumprido por 90% dos estudantes.” 

O movimento Ocupa Mendes, que fala pelos alunos da escola Prefeito Mendes de Morais, na zona norte do Rio, ocupada em 21 de março e desocupada em 16 de maio, divulgou no Facebook a seguinte nota: “O Ocupa Mendes informa que ocupantes nossos foram agredidos e estão feridos! São covardes, botaram Tropa de Choque contra estudantes menores. Bateram em garotas e mulheres.”

Ainda ocupadas. As ocupações de escolas vêm diminuindo no Rio – o último número oficial indicava 67 prédios tomados na semana passada. Os alunos apoiam a greve dos docentes e apresentam demandas como melhoria das condições das escolas, distribuição gratuita de apostilas, climatização de salas e passe livre no transporte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.