PM cumpre reintegração e desocupa escola tomada por alunos em Sorocaba

PM cumpre reintegração e desocupa escola tomada por alunos em Sorocaba

Manifestantes protestavam contra medida provisória de reforma do ensino médio; nesta segunda, estudantes impediram que grupo dominasse outro colégio

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

11 Outubro 2016 | 09h28

SOROCABA - A Polícia Militar retirou na manhã desta terça-feira, 11, os 50 alunos que ocupavam, desde a quinta-feira, 6, a Escola Estadual Professora Ossis Salvestrini Mendes, em Sorocaba, no interior de São Paulo. A ação, em conjunto com a Polícia Civil, cumpriu mandado judicial de reintegração de posse, segundo nota divulgada pela PM.

As polícias convocaram uma coletiva de imprensa para dar detalhes da operação. As aulas, suspensas desde o início da ocupação, seriam retomadas após a limpeza do prédio.

Os manifestantes protestavam contra a medida provisória do governo do presidente Michel Temer (PMDB) de reforma do ensino médio. A PM confirmou também a ocupação da Escola Estadual Professor Hélio Del Cistia, no bairro São Guilherme, na madrugada desta terça-feira. Ainda segundo a polícia, de manhã, os estudantes decidiram, por conta própria, desocupar o prédio.

Na noite de segunda-feira, 10, alunos da Escola Estadual Professor Aggeo Pereira do Amaral impediram que um grupo com cerca de dez pessoas ocupasse a escola, em Sorocaba. O grupo de ocupação, ligado ao Novo Comando Estudantil (NCE), entrou na escola durante o período letivo noturno e pretendia obter a adesão de outros estudantes para permanecer no prédio. Os alunos recusaram apoio e teriam pedido a saída dos manifestantes. 

A tentativa de ocupação da Aggeo Pereira foi confirmada pela diretora da escola, Regina Isabel Viana. Segundo ela, os portões da escola estavam abertos e os manifestantes entraram sem encontrar resistência, mas os próprios alunos reagiram à ocupação de forma pacífica. A PM chegou a deslocar viaturas para a escola.

O coordenador do NCE, Lucas Dante, informou que o grupo foi apenas dialogar com os alunos da escola e não havia intenção de ocupar a escola naquele momento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.