Plano da Educação é complemento do PAC, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro da Educação, Fernando Haddad, lançaram, nesta terça-feira, o Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), chamado PAC da Educação. Entre as medidas previstas está a adoção de um índice de qualidade da educação básica, o Ideb, que mede não só o resultado dos estudantes em provas, mas também os níveis de evasão e aprovação. Os números do Ideb, para todo o Brasil, serão divulgados ainda nesta semana.Outra medida prevista é a ampliação do acesso ao ensino superior, com incentivos financeiros para que as universidades federais abram mais vagas.Lula disse que o PDE é um "passo gigantesco" para a melhoria do ensino e que irá "ficar no calcanhar" de assessores e de Haddad, para que o plano seja implantado. No discurso, Lula disse que "não é inadequado" fazer associações entre o PDE e o Plano de Aceleração do Crescimento (PAC). "Os dois são complementares. PAC e PDE são anéis de uma mesma corrente a favor da construção do País", afirmou.A prioridade do PDE é a educação básica, que vai do ensino infantil ao ensino médio, além de medidas para melhorar os indicadores de qualidade nos nove anos do ensino fundamental.Segundo o presidente, o PDE irá permitir a definição de um piso salarial para o magistério. Ao lançar o plano no Palácio do Planalto, Lula afirmou que o PDE permitirá ainda um acesso mais democrático à universidade, ampliar em 100 mil o número de bolsas do ProUni, modernizar o ensino técnico, reduzir as taxas de analfabetismo e garantir qualificação do magistério.O presidente ressaltou a importância de melhorar as condições de trabalho dos 2 milhões de professores que atuam nos diversos graus de ensino. Ressaltou que o governo ouviu centenas de educadores durante o processo de elaboração do PDE. "A educação só pode melhorar se for melhorado todo o conjunto, e o PDE prevê interferências profundas na educação básica, na educação tecnológica e no ensino superior".Lula observou ainda que o Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) deverá aumentar em dez vezes os investimentos federais nas áreas mais carentes do ensino. Ao concluir o seu discurso, o presidente observou que é preciso repensar o ensino e não apenas disponibilizar recursos. "Os problemas do ensino não se restringem à disponibilização de investimentos. Existem muitas coisas que o dinheiro não resolve", comentou. Na última sexta-feira, o presidente Lula afirmou que o PDE "é o programa mais revolucionário já lançado no Brasil".

Agencia Estado,

24 de abril de 2007 | 12h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.