Piso para professores só sai depois do Fundo

No dia do Professor, o ministro da Educação, Tarso Genro, voltou a dizer que o governo federal pretende criar um piso salarial nacional para a categoria, mas não antes da aprovação do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), que ainda está em discussão com Estados e municípios.De acordo com o ministro, o piso só pode ser criado depois que houver garantia de recursos. "Não adianta arbitrar, inventar, desenhar subjetivamente um piso salarial que depois as prefeituras e os estados não possam pagar", disse o ministro. Tarso admitiu que os professores são mal remunerados e explicou que a ampliação dos recursos com o Fundo poderá melhorar a situação.O piso havia sido proposto pelo ex-ministro Cristovam Buarque, mas não foi adiante pela determinação federal de esperar pelo Fundeb. Tarso também disse que o MEC trabalha com a idéia de reservar entre 70% e 80% dos recursos do Fundeb para pagamento dos professores. No entanto, governos estaduais e prefeituras não aceitam o percentual porque a lei de responsabilidade fiscal limita o gasto com pessoal em até 60%.

Agencia Estado,

15 de outubro de 2004 | 21h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.