Reprodução/Blog E.E. Dimas Mozart e Silva
Reprodução/Blog E.E. Dimas Mozart e Silva

Pior escola estadual de SP no Enem é finalista em prêmio internacional

Dirigente se mostrou surpresa com o resultado e destacou nota da escola no Ideb, que quase alcança meta para 2021

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2016 | 03h00

SOROCABA - A Escola Estadual "Professor Dimas Mozart e Silva", de Taquarituba, interior de São Paulo, que obteve a pior média do Estado no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), está entre as dez finalistas do mundo em um concurso internacional sobre energia limpa. A dirigente regional de Ensino, Lucimeire Gomes Mendonça, citou o fato para mostrar o quanto o resultado do Enem causou surpresa ao corpo docente da escola. "Ontem (segunda), recebemos com alegria a notícia de que os trabalhos da nossa escola estão na reta final da disputa por um prêmio internacional relevante. Hoje (terça) veio essa notícia da má posição no Enem. É algo que nos surpreende", afirmou.

RANKING: Veja aqui a lista geral das escolas de acordo com a nota no Enem

Ela se referia ao Prêmio Zayed de Energia do Futuro para a categoria Escolas Secundárias Globais, ao qual concorrem escolas de ensino médio com alunos entre 11 e 19 anos de idade dos cinco continentes. A Professor Dimas é a única escola brasileira na reta final do concurso que dará à vencedora US$ 100 mil. "Um professor e dois alunos nossos irão para Dubai em janeiro para defender o projeto, que foi todo desenvolvido na escola e trata da produção de energia limpa e renovável", disse. Para a dirigente, isso mostra que a escola está evoluindo, ao contrário do que indica o resultado do Enem.

No Enem de 2011, a escola de Taquarituba já havia tido o pior desempenho do Estado. Na ocasião, a nota ficou abaixo da média nacional. A partir desse resultado, foi feito um trabalho para melhorar a posição no ranking. "O que nos dá a certeza de que estamos evoluindo é que no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) a meta para 2021 é nota 5 e já estamos com 4,9", disse. De acordo com Lucimeire, dos 55 alunos que fizeram a prova no ano passado, 29 prestaram o exame no sábado e 27 no domingo. Ela acha que alguma prova pode ter sido entregue incompleta.

A Professor Dimas fica na Vila São Vicente, próxima do centro, mas recebe muitos alunos que trabalham nas lavouras, já que a cidade, de 22,3 mil habitantes, é essencialmente agrícola. Pai de um aluno do terceiro ano do ensino médio, o produtor rural Valdecir Gomes da Silva diz que o filho divide o estudo com o trabalho na lavoura. "Não posso abrir mão da ajuda dele, mas também não quero que perca as aulas, por isso às vezes ele vai cansado para a escola." Conforme Silva, quando o filho deixa de comparecer, funcionários da escola entram em contato para saber se há algum problema.

A escola estadual atende 426 alunos do ensino fundamental e médio em três turnos. Os estudantes têm acesso a computadores com internet, laboratório de informática, biblioteca, cozinha com refeitório e quadra coberta. No início deste ano, um aluno morreu quando praticava esportes na quadra da escola. Ele teve uma parada cardíaca, foi socorrido, mas não resistiu. Segundo a dirigente, houve grande corrente de solidariedade dos demais alunos em relação à família. "Apesar de ter sido um acontecimento trágico, serviu para mostrar que há um engajamento entre os estudantes", disse.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.