Arquivo/AE
Arquivo/AE

Pesquisa revela que 70% dos alunos já presenciaram maus-tratos de colegas

Na Região Sudeste, o índice de violência escolar chega a 81%, revela estudo

Agência Brasil

20 de maio de 2010 | 12h24

RIO - Uma pesquisa nacional sobre o bullying - agressões físicas ou verbais recorrentes nas escolas - mostrou que cerca de 70% dos alunos do País já viram algum colega ser maltratado pelo menos uma vez na escola. Na Região Sudeste, o índice chega a 81%, revela estudo feito pelo Centro de Empreendedorismo Social e Administração em Terceiro Setor (Ceats), a pedido da organização não governamental (ONG) Plan.

 

Veja também:

linkAluno de BH terá de pagar R$ 8 mil por bullying

linkJovem é morto devido a suposto caso de bullying em Porto Alegre

linkMEC e Fiocruz criam curso para combater violência nas salas de aula

 

O levantamento ouviu 5.168 estudantes do ensino fundamental de todas as regiões do País, de escola públicas e particulares. A pesquisa aponta que 28% dos alunos afirmam já ter sofrido maus-tratos na escola praticados por colegas e cerca de 10% são considerados vítimas de bullying.

 

Os estudantes entrevistados apontam diversos motivos para a violência escolar, entre eles a omissão da escola, influência de comportamentos familiares agressivos, busca por popularidade, o status e a aceitação em um grupo. Segundo a consultora da pesquisa, Cléo Fante, especialista em bullying, os atos violentos estão relacionados ao preconceito. "Muitas vezes, o bullying é resultado da intolerância à diferença, é preconceito puro."

 

Traumas

 

As agressões no âmbito escolar podem trazer graves consequências para a vida acadêmica e pessoal do estudante. "Quem sofre bullying costuma perder o entusiasmo pelo ensino e a concentração, o que atrapalha a aprendizagem", afirma Cléo Fante.

 

Segundo a psicóloga Maria Tereza Maldonado, que publicou o livro de ficção A Face Oculta - Uma História de Bullying e Cyberbullying, em alguns casos os alunos acabam desenvolvendo depressão e síndrome do pânico, além das sequelas físicas.

 

Combate

 

A pesquisa ainda revela um despreparo das instituições de ensino e dos professores diante dessa violência. "As escolas mostraram uma postura passiva para uma violência que acontece no ambiente escolar", afirmou Gisella Lorenzi, coordenadora da pesquisa.

 

O alto índice de violência nas escolas é uma preocupação do Ministério da Educação (MEC) que, em parceria com o Ministério Público, promoverá um encontro nesta sexta-feira, 21, no Rio de Janeiro, para discutir a violência. Também serão discutidos iniciativas que beneficiam a educação, como o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e o programa de transporte escolar. O evento reunirá gestores dos programas do MEC, especialistas e promotores de todo o país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.