Pesquisa leva professor da UFRJ a ganhar quase US$ 100 mil em prêmios

Um professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)vai receber dois prêmios internacionais, que, juntos, chegam a quase US$ 100 mil. Por suas pesquisas sobre catalisadores antipoluentes para veículos, Martin Schmal viaja para a Alemanha em março para ser premiado na Fundação Humboldt e, em abril, vai ao México, onde o próprio presidente Vicente Fox lhe entregará outra recompensa pelo trabalho desenvolvido na universidade.Nascido na Alemanha e naturalizado brasileiro, o engenheiro químico Schmal, de 65 anos, trabalha no desenvolvimento de sistemas para barrar a poluição de carros desde os anos 70. Este ano a Fundação Humboldt, uma instituição de pesquisa independente com sede em Berlim, escolheu o professor para ser o beneficiado com o valor de 50 mil euros (cerca de US$ 55 mil) para o desenvolvimento de seus estudos. A fundação premiacerca de 30 pesquisadores do mundo todos os anos.Com o dinheiro, Schmal deverá passar cerca de um ano na Alemanha pesquisando no Instituto Max Planct, que já é parceiro do professor no estudo que desenvolve na Coordenação de Programas de Pós-Graduação em Engenharia (Coppe-UFRJ). A fundação alemã escolheu Schmal por suas pesquisas com catalisadores para veículos movidos a diesel. "Além de gastar com a minha permanência na Alemanha, estou pensando em investir parte do dinheiro em bolsas para novos pesquisadores e doutorandos", afirmou o professor.Já o Ministério da Educação, Ciência e Tecnologia mexicano escolheu Schmal entre 70 cientistas concorrentes de 17 países da América Latina e Caribe (incluindo Espanha e Portugal). Em abril, em data ainda não definida, o presidente Vicente Fox entregará um cheque de US$ 40 mil ao professor da UFRJ pelo conjunto de suas pesquisas na área de poluição ambiental e desenvolvimento de catalisadores. A cerimônia será realizada na Cidade do México. "Nunca pensei em ganhar tanto dinheirocom as minhas pesquisas", diz. "Mas não estou reclamando. Vou poder gastar bastante", brinca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.