Pastoral da criança é indicada pelo governo para concorrer ao Nobel da Paz

A Pastoral da Criança foi indicada pela terceira vez consecutiva ao Prêmio Nobel da Paz pelo governo brasileiro. Criada há 20 anos, a entidade acompanha no País mais de 71 mil gestantes e 1,6 milhão de crianças com menos de seis anos em 3.549 municípios.Nos locais onde o método é usado, a mortalidade infantil apresenta índices bem inferiores ao da média brasileira. São registradas menos de 14 mortes por cada mil crianças vivas. A média nacional é de 29 mortes por mil nascidos vivos.Os resultados positivos do trabalho, cujo orçamento médio é de US$ 0,5 por criança, incentivaram a exportação do programa para 14 países, na América Latina, Ásia e África. A indicação oficial foi feita nesta segunda-feira, em Brasília.A Comissão Nacional para Preparação da Postulação do Brasil para a concessão do Prêmio Nobel da Paz de 2003 à Pastoral da Criança tem entre seus integrantes o ministro da Saúde, Humberto Costa e a ministra da Assistência e Promoção Social, Benedita da Silva.Métodos da PastoralUm serviço da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, a Pastoral da Criança conta com cerca de 200 mil voluntários. As famílias visitadas recebem da equipe da Pastoral informações sobre o preparo de remédios caseiros, sobre imunização e tratamento para gestantes e crianças. O Ministério da Saúde repassa cerca de 76% das verbas da Pastoral da Criança. Costa informou que o ministério pretende ampliar e aprimorar o trabalho de cooperação com a entidade. A intenção, disse, é que as atividades desempenhadas por integrantes do Programa de Saúde da Família e da Pastoral sejam feitas de forma coordenada, para evitar sobreposições.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.