Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

'Parece que os professores estão aqui em casa', diz aluna que estuda pelo YouTube

Sem dinheiro para pagar cursinhos presenciais, estudantes usam plataforma como alternativa; site lançou 'playlist educativa'

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2019 | 13h00

SÃO PAULO - Alice Bezerra, de 18 anos, queria cursar Direito, mas não passou no vestibular. A opção seria fazer um cursinho por mais um ano, mas ela mora em São Sebastião do Umbuzeiro, no interior da Paraíba. O pré-vestibular mais próximo estava a cinco horas de viagem.

“Conversando com pessoas da minha cidade que tinham nota alta no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), descobri os cursinhos online”, conta.

Com 3 mil habitantes, a cidade tem apenas duas escolas públicas. O formato das aulas dos professores da plataforma Descomplica, que cobra R$ 19 por mês, foi uma surpresa para Alice. 

Para ela, as aulas são “dinâmicas e divertidas”, o que faz a aluna passar horas na frente do computador estudando. “Essa menina só faz estudar. Já peguei ela estudando à meia-noite e dei uma bronca para ela ir dormir”, conta a diarista Joseane Bezerra, mãe da jovem.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Essa menina só faz estudar. Já peguei ela estudando à meia-noite e dei uma bronca para ela ir dormir
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Joseane Bezerra, mãe de Alice Bezerra

“Parece que os professores estão aqui em casa, indo no meu ritmo. É muito descontraído, não sinto que estudar é uma obrigação”, diz a aluna Lívia Araújo, de 18 anos, que mora no Rio e não conseguia pagar um cursinho presencial.

Os vídeos a ajudam a estudar para cursar Comunicação Social.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
É muito descontraído, não sinto que estudar é uma obrigação
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Lívia Araújo, estudante

Veja vídeo da plataforma Descomplica:

O aumento da audiência dos estudantes em vídeos com conteúdo escolar levou o YouTube a lançar em julho deste ano um novo recurso chamado de "playlist educativa", permitindo que os canais credenciados pela plataforma possam estruturar o conteúdo produzido em capítulos, como introdução, aulas básicas e avançadas.

Desde 2013, a plataforma já desenvolve com a Fundação Lemann um projeto de revisar e validar canais voltados para educação. Atualmente, mais de 400 canais já passaram pelo crivo. Juntos, eles já tiveram 1,2 bilhões de visualizações e têm mais de 6,5 milhões por semana. 

Se você estuda usando canais no YouTube, nos conte quais são os seusedutubers preferidos.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.