Parceria vai premiar talentos das ciências exatas

Fundação Estudar vai conceder bolsas de estudos para vencedores de competição de robótica, que já teve fundador do Google entre participantes

Estadão.edu

27 Abril 2011 | 16h49

A Fundação Estudar fechou uma parceria internacional para estimular alunos talentosos na área de exatas. A partir deste ano, os estudantes do ensino médio que vencerem a etapa brasileira de uma das maiores competições de robótica do mundo, a First Robotics, vão ganhar da fundação bolsas de estudos e orientação de carreira.

 

A First Robotics foi criada em 1992 pelo cientista americano Dean Kamen com o objetivo de inspirar a paixão de jovens por ciência e tecnologia. A competição é organizada por uma entidade sem fins lucrativos cujo nome é formado pelas iniciais da expressão For Inspiration and Recognition of Science and Technology (Para a Inspiração e Reconhecimento da Ciência e Tecnologia).

 

A competição conta com voluntários de peso na orientação dos projetos, como a Nasa e a CIA, e já teve ex-participantes de renome, a exemplo de Sergey Brin, um dos criadores do Google.

 

Por meio do convênio com a First, a Fundação Estudar vai oferecer um pacote de incentivo e orientação aos participantes da competição de robótica, que já foi realizada no País de forma experimental em 2007 e 2008 e terá oficialmente uma etapa brasileira a partir deste ano, em novembro.

 

Segundo a diretora executiva da fundação, Thaís Junqueira, a iniciativa vai ajudar a reduzir a carência de profissionais de exatas no País. “Como passamos por um momento em que as profissões ligadas à tecnologia e exatas são cruciais para o desenvolvimento econômico, a fundação busca nessa parceria o apoio aos jovens participantes de competições de matemática, física e ciência de maneira mais ampla.”

 

Para o diretor regional da First, Ivan Boesing, as bolsas de estudos serão "grandes aliadas" na atração e retenção de novos talentos. “O desafio atualmente é tornar a área de exatas atraente aos jovens, fazendo com que eles ingressem e permaneçam nos cursos.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.