Para quem tem pressa, os seqüenciais

Quer cursar algo bem específico, como Gestão de Relacionamento com Clientes ou Gastronomia, e ter um diploma de nível superior sem passar quatro ou cinco anos na universidade? Precisa entrar rapidamente no mercado de trabalho ou se aperfeiçoar? Se respondeu sim a essas questões, você tem o perfil de um aluno dos cursos seqüenciais, mesmo que não saiba que eles existem. A idéia de criar essa modalidade foi lançada em 1996, com a nova Lei de Diretrizes e Bases, e os primeiros cursos começaram a ser oferecidos no fim de 1999. Os chamados Seqüenciais de Formação Específica são mais curtos que os de graduação, tendo dois anos de duração ou 1.600 horas-aula, e conferem diploma de nível superior. Eles propiciam aperfeiçoamento em determinado campo do saber e precisam ser autorizados pelo Ministério da Educação (MEC). Hoje, são 683 deles em funcionamento no País. Há também os Seqüenciais de Complementação de Estudos, oferecidos livremente pela universidades e sem duração fixa. Esses não conferem diploma, apenas certificado de conclusão. ?Outra vantagem dos seqüenciais é que o aluno pode aproveitar os créditos cursados para depois fazer a graduação?, explica o coordenador-geral de Políticas Estratégicas para o Ensino Superior do MEC, Eduardo Machado. ?Eles são adequados para quem quer atuar em nichos de mercado que exijam conhecimento, mas não uma formação tradicional.? Os seqüenciais servem para recém-saídos do ensino médio, para quem já tem uma graduação e para os que já trabalham. Foi em busca de informação que o empresário Newton Figueiredo, de 33 anos, dono do Hiperion Buffet, em São Caetano, no ABC, ingressou no curso de Gastronomia da Universidade Anhembi Morumbi(www.anhembi.br). ?Senti que seria proveitoso logo no primeiro dia, aprendi muito e hoje posso dizer que devo o crescimento da empresa 100% ao curso.? A Anhembi Morumbi tem seqüenciais desde 1999. ?Os cursos atendem segmentos ávidos por conhecimento e o mercado tem real necessidade de pessoas com formação específica?, diz a diretora dos Cursos Seqüenciais da universidade, Cristiane Alperstedt. ?A maioria dos alunos já trabalha e precisa de atualização.? É o caso de Rodney Sarabando Andrade, de 29 anos, supervisor de Operação de uma multinacional. Ele se forma no fim do ano em Gestão de Relacionamento com o Cliente. ?Como fiz Engenharia, precisava de especialização para lidar melhor com o público?, afirma Andrade. ?O profissional não pode parar.? As inscrições na Anhembi Morumbi já estão abertas e são gratuitas para os 24 cursos oferecidos nas áreas de Finanças, Comunicação, Tecnologia, Arquitetura, Gestão/Administração e Imagem Pessoal e Alimentos e Bebidas.Fora os seqüenciais, há também a opção dos superiores para formação de tecnólogos em diversas áreas. Os cursos têm ênfase em aspectos técnicos e administrativos dos negócios e objetivam suprir carências do mercado de trabalho. Como os seqüenciais, eles são feitos em menos tempo. Mas a grande diferença reside no fato de que são considerados uma graduação, permitindo que o aluno continue na vida acadêmica, fazendo mestrado e doutorado. Os cursos são tão atrativos que várias instituições de ensino estão investindo na modalidade. Uma delas é a Unip www.unip.br, que agora vai oferecer esse tipo de graduação. ?Notamos que muitos alunos têm dificuldade de pagar por uma educação superior por quatro anos?, explica o vice-reitor da universidade, Fábio Romeu de Carvalho. ?Com esses cursos, eles investem menos dinheiro e entram no mercado de trabalho rapidamente.? A Unip montou currículos para vários gostos, passando da Comunicação Digital à Gestão de Negócios Empresariais. Há ainda curso específico para quem quer tocar pequenas e médias empresas e empreendimentos de turismo e hotelaria. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 0800-109000.

Agencia Estado,

18 de outubro de 2002 | 14h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.