Para Haddad, exame da OAB não avalia com precisão cursos de Direito

Ministro minimiza impacto do ranking de cursos com aprovação zero da OAB diz que Enade é que avalia cursos

Agência Brasil

07 Julho 2011 | 17h06

O ministro da Educação, Fernando Haddad, afirmou nesta quinta-feira que a supervisão dos cursos de ensino superior continuará sendo feita por meio do resultado do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade). “Mas, como subsídio para a supervisão do MEC, sempre contamos com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para nos auxiliar”, completou o ministro, referindo-se aos cursos de Direito.

 

O assunto ganhou destaque após o pedido da OAB para que o MEC supervisione com maior rigor as 90 instituições de ensino superior que não tiveram nenhum aluno aprovado no exame de Ordem. No total, 88% dos 106 mil inscritos foram reprovados na prova.

 

Haddad disse que a parceria com a OAB tem sido bem-sucedida e que prova disso é o fechamento de mais de 35 mil vagas em cursos de Direito no País. “Porém, não devemos misturar os dois procedimentos (Exame da Ordem e Enade) sob pena de desconstruir aquilo que foi construído com muito trabalho ao longo das últimas décadas no Brasil”, argumentou.

 

O propósito da OAB é avaliar se estudante está apto a exercer a profissão, enquanto o Enade avalia os cursos do ponto de vista educacional. “Não tem como ser diferente, podemos cometer alguns pecados estatísticos se agregarmos dados de uma avaliação individual para considerar a qualidade da instituição”, ressaltou Haddad.

 

O ministro disse ainda que o sistema de avaliação do Enade tem todo um rigor estatístico. “Como são várias edições do exame de Ordem, ao contrário do Enade, há uma incongruência nos dados. Vamos considerar, por exemplo, uma faculdade que teve um inscrito. Se ele passou no exame, a instituição aprovou 100% dos alunos. Se ele não passou, ela teve 0% de aproveitamento. Não faz sentido do ponto de vista estatístico esse tipo de contabilidade. Então, ao contrário da OAB, nós somos obrigados a tratar os dados.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.