Para crescer, Embraer forma nova geração de engenheiros

A Embraer abrirá no mês que vem inscrições para o processo de seleção do Programa de Especialização em Engenharia (PEE) para o ano de 2004. Podem participar engenheiros de todo o País. A aprovação garante uma bolsa em dinheiro (a empresa não revela valores), seguro saúde e vaga no mestrado profissionalizante criado em parceria com o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).Ao cumprir todas as obrigações acadêmicas, o aluno tem emprego assegurado na Embraer. Antes, porém, os "futuros funcionários" estudam, durante um ano e meio, disciplinas como aerodinâmica, sistemas aeroespaciais e simulação de vôo. No início das aulas, recebem um laptop adaptado aos programas que irão estudar.O programa de capacitação teve início em 2001, por causa da escassez de engenheiros aeronáuticos. Já forma a segunda turma.547 mestres até 2004Podem participar engenheiros formados nas modalidades mecânica, elétrica, eletrônica, mecatrônica, civil, materiais, ou modalidades relacionadas a estas. A meta da empresa é ter 547 mestres em engenharia aeronáutica formados até 2004 - com a expectativa de que todos sejam funcionários.O programa de capacitação está relacionado aos desafios de expansão. "A Embraer sabe que precisa de novos negócios para crescer. Tanto em crescimento quantitativo quanto qualitativo", afirma o diretor de Recursos Humanos da Embraer, Júlio Franco. "O nosso ritmo de crescimento vai depender do desenvolvimento das pessoas", detalha.A empresa tem hoje unidades nos Estados Unidos, Austrália e acaba de abrir um escritório na China. No ano passado, a área de treinamento e desenvolvimento da Embraer recebeu aporte de R$ 25 milhões. Desse total, R$ 15 milhões foram para o PEE, esclarece o executivo de RH.Ex-feiranteEx-feirante, paraense da Ilha de Marajó, o engenheiro Paulo Reis Seabra, descobriu aos 7 anos, quando entrou na escola, que tinha habilidade para cálculos. Na época, ele acordava de madrugada para ajudar o pai na feira.Mais tarde, no segundo grau, optou por fazer o curso de técnico em manutenção de aeronaves. Foi aí que a paixão se intensificou. Anos depois, formou-se em engenheira mecânica. É um dos integrantes da segunda turma do PEE. Como conclusão do mestrado, vai apresentar um projeto de aeronave nos próximos dias e já prepara a papelada para efetivação de ingresso na Embraer como trainee.Seabra integra não só uma nova geração de engenheiros da Embraer, como também representa a abertura, a perfis sociais diversos, do ramo especial, antes restrito aos 70 especialistas formados por ano pelos três cursos de engenharia aeronáutica existentes no País - na Universidade de São Paulo, em São Carlos, no Instituto de Tecnologia Aeronáutica (ITA), em São José dos Campos (SP), e Centro de Estudos Aeronáuticos (CEA), da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).Quatro maioresNa lista das quatro maiores da indústria aeroespacial, ao lado da Boeing, Airbus e Bombardier, a Embraer tem 12.292 funcionários - 11.583 no Brasil e outros 709 no exterior. A empresa se prepara para avançar no mercado de sistemas de defesa, com possibilidade de fornecer aviões para o exército americano."A indústria aeronáutica em todo o mundo tem carência de profissionais especializados", explica o gerente de Educação Treinamento & Desenvolvimento, Sidney Lage Nogueira.Aulas via videoconferência, debates com especialistas estrangeiros, além de palestras, sessão de audiovisuais e grupos de leituras complementam as aulas presenciais, para garantir um alto índice de retenção de conteúdo.N. da Redação: Agradecemos aos leitores que, com suas informações sobre o Centro de Estudos Aeronáuticos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), possibilitaram a correção desta reportagem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.