Valter Campanato/ABr
Valter Campanato/ABr

Países lusófonos decidem pela implantação de um Acordo Ortográfico

Português é uma língua falada por mais de 240 milhões de pessoas em oito países

Efe

26 Março 2010 | 15h07

Representantes da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) se comprometeram nesta sexta-feira, 26, em Brasília com a defesa do idioma português e sua promoção como uma língua de uso oficial nos organismos internacionais.

 

"O português é o idioma oficial de oito países, é falado por mais de 240 milhões de pessoas no mundo e deve ser valorizado como língua e também como traço cultural de uma quantidade crescente de nações", declarou o vice-chanceler brasileiro, Antonio Patriota, ao inaugurar a primeira Conferência sobre o Futuro do Português.

 

O encontro vai até este sábado e será seguido por uma reunião ministerial. Estão presentes os representantes dos países que formam a CPLP - Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

 

Acordo ortográfico

 

Patriota avaliou o consenso alcançado pelos membros da comunidade com a implantação de um Acordo Ortográfico que visa a unificar a língua portuguesa, apesar de que, até agora, só foi adotado oficialmente por Brasil, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Portugal.

 

Na opinião do diplomata, a aplicação do Acordo Ortográfico facilitará a promoção do português como nova língua oficial de organismos internacionais, como as Nações Unidas. Além disso, sustentou que o Acordo Ortográfico "defenderá" o idioma português dos "usos linguísticos que tendem a homogeneizar as línguas" e dos "estrangeirismos" cada vez mais presentes nos meios de comunicação e na publicidade e que circulam profusamente através da internet.

 

O embaixador de Portugal no Brasil, João Salgueiro, defendeu a importância cultural e econômica do português, "que é atualmente a quinta língua mais falada e a sexta mais escrita no mundo", indicou. Segundo Salgueiro, "a língua não é só uma ferramenta de unidade cultural, mas também um veículo de desenvolvimento econômico e social que deve ser defendido como um patrimônio das sociedades".

 

A inauguração da conferência sobre o futuro do português, realizada no Palácio do Itamaraty, foi precedida nesta quinta-feira pela abertura de uma exposição sobre a cultura dos oito países-membros da CPLP.

 

O ministro Celso Amorim disse que o Acordo Ortográfico "é uma verdadeira necessidade para a implantação da língua portuguesa" no cenário internacional, e que abrirá horizontes enormes, inclusive econômicos, para a difusão da cultura dos países lusófonos.

 

Após a inauguração da exposição, os representantes que participaram da primeira Conferência sobre o Futuro do Português assistiram um show da cantora Maria Bethania, que através de poemas e canções populares fez um apanhado das tradições culturais dos oito países da CPLP.

 

A conferência sobre a língua termina amanhã e será seguida, na próxima quarta-feira, pela VI Reunião Extraordinária do Conselho de Ministros da comunidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.