País precisa investir na educação, diz Unesco

O representante da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no Brasil, Jorge Werthein, defendeu, no programa Bom Dia, Brasil, um pacto nacional de investimento e valorização da educação, ciência e tecnologia, a exemplo do que fizeram, 30 ou mais anos atrás, a Coréia, Espanha, Malásia e outros países. Segundo ele, teria de ser um pacto apartidário, engajando-se nele toda a sociedade e os governos de todos os níveis: federal, estaduais e municipais, em tempo continuado, independentemente da mudança de governos.Segundo Werthein, os exemplos desses países mostram que não há investimento melhor do que na educação e que, se o Brasil tivesse feito investimentos pesados neste setor, como eles, teria hoje outros indicadores educacionais e sociais. Segundo o representante da Unesco, "o Brasil tem uma dívida histórica" consigo mesmo em relação à educação. "É preciso haver consciência de que é preciso investir, investir bem, que a educação, a ciência e a tecnologia são as áreas principais nas quais o Brasil tem de pensar para ter a possibilidade concreta de um crescimento sustentado", afirmou. Segundo Werthein, embora a oferta de vagas na escola tenha aumentado no País, a qualidade do ensino no Brasil é muito baixa. "E a resposta é a que todos conhecemos: é preciso investir nos professores para melhorar a qualidade de ensino no Brasil", afirmou. "É preciso investir na capacitação sistemática e continuada dos professores". Werthein disse que nada é rápido em educação, mas que resultados importantes começariam a aparecer nos próximos quatro, seis a dez anos. "O investimento é necessário, o tempo é necessário", observou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.