'Os dois métodos não se complementam, mas competem'

Entrevista com Francisco Azevedo de Arruda Sampaio, autor de livros didáticos

Fábio Mazzitelli, Jornal da Tarde

23 de agosto de 2010 | 10h52

Autor de livros didáticos, o professor Francisco Azevedo de Arruda Sampaio está lançando o livro Com a Palavra, o Autor, no qual faz críticas ao Programa Nacional do Livro Didático. Apesar das contestações, é contra o sistema apostilado.

 

Como o sr. vê o crescimento da apostila sobre o livro didático?

 

Preocupante. A gente não sabe como é feita a escolha de um sistema de ensino e apostilas podem não passar por avaliação criteriosa. Como os valores envolvidos são altos, a negociação exige transparência para evitar desvios. Do ponto de vista educacional, como se adota um sistema único, pressupõe-se que a realidade de todas as escolas da cidade seja sempre a mesma.

 

Há autores de livros que estão escrevendo apostilas. É possível fazer algo da mesma qualidade?

 

É possível fazer apostilas de boa qualidade. A apostila nada mais é que um livro que você divide por segmentos e faz uma programação de abordagem. Quando você pressupõe um sistema unificado, pressupõe que a realidade de todas as escolas seja a mesma. Propor atividades em uma escola rural é diferente de fazer o mesmo em uma escola de favela.

 

O livro didático contempla isso?

 

Contempla da seguinte maneira: a escola rural opta por um livro didático e, dentro do mesmo município, a escola urbana opta por outro. O que se rouba (com apostilas) é a possibilidade de a escola ter seu próprio projeto didático.

 

Mas o sr. faz críticas ao PNLD.

 

As críticas que faço são para aprimorá-lo, construtivas. A falha principal do PNLD está na maneira como é feita a avaliação dos livros. Sou a favor da avaliação, mas às vezes os critérios usados não são claros.

 

É possível o livro didático conviver com as apostilas na aula?

 

Os dois métodos não se complementam, mas competem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.